DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Planalto chama líderes insatisfeitos após novo fracasso em votar vetos

Governo convocou reunião de emergência com aliados para discutir reforma ministerial após falta de quórum para analisar itens da pauta-bomba no Congresso

ISADORA PERON, O ESTADO DE S.PAULO

07 Outubro 2015 | 18h13

BRASÍLIA - O Palácio do Planalto convocou reunião de emergência nesta quarta-feira, 7, com os líderes dos partidos insatisfeitos com a reforma ministerial. O grupo se reúne com o ministro Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo).

A reunião acontece depois de o governo não conseguir, pelo segundo dia consecutivo, quórum necessário para iniciar a votação dos vetos presidenciais dos projetos da chamada pauta-bomba. Nesta quarta, a Câmara repetiu a estratégia do dia anterior e, mais uma vez, esvaziou a sessão do Congresso, adiando mais uma vez a apreciação dos vetos presidenciais. Compareceram apenas 223 dos 513 deputados. Para garantir a votação era necessário um mínimo de 257 deputados. Dos 81 senadores, 68 compareceram. Era preciso 41.

Líderes não só da oposição como também da base governista articularam novamente com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o esvaziamento da sessão. Sete minutos depois, a sessão da Câmara foi aberta registrando presença de 428 deputados.

Após a tentativa frustrada de votar os vetos, foram chamados ao Planalto deputados de PP, PTB, PSC, PHS e PEN, que anunciaram nesta quarta o afastamento do PMDB do maior bloco da Câmara, com 149 deputados.

O descontentamento dos demais partidos do bloco aconteceu porque os partidos não se sentiram perfeitamente contemplados na reforma ministerial. A escolha da presidente Dilma Rousseff do líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), como o interlocutor da Casa, em detrimento de Eduardo Cunha também causou insatisfação.

Segundo o líder do PTB, deputado Jovair Arantes, os vetos só serão votados depois que o governo "discutir a relação" com os demais partidos da base aliada.

O governo tem preocupação especial com a manutenção de dois vetos. O que mais preocupa é o do reajuste dos servidores do Judiciário. O impacto é de R$ 36,2 bilhões até 2019, segundo o Executivo. Além disso, há o texto que atrela o reajuste do salário mínimo aos benefícios do INSS, com despesa extra de R$ 11 bilhões nos próximos quatro anos.

Mais conteúdo sobre:
Congresso vetos Planalto ministério

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.