Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Planalto articula uma blindagem a Lula

Política

AFP

Política

PMDB

Planalto articula uma blindagem a Lula

Estratégia também inclui utilizar Lula na articulação política do governo para tentar frear impeachment de Dilma; ele resiste

0

Vera Rosa e Tânia MonteiroRicardo Brito,
O Estado de S.Paulo

10 Março 2016 | 07h40

Brasília - Diante do agravamento da crise e com uma ala do PMDB querendo romper com o governo, a presidente Dilma Rousseff convidou seu padrinho político, Luiz Inácio Lula da Silva, para ocupar o ministério que cuida da articulação política. A estratégia planejada pelo Palácio do Planalto tem o objetivo de barrar o impeachment e ainda blindar Lula, alvo da Operação Lava Jato.

Em conversa com 25 senadores do PMDB, do PT e de outros partidos aliados, o ex-presidente admitiu nesta quarta que o governo está por um fio, mas disse que não assumirá um ministério. Alegou que sua entrada na equipe passaria a imagem de confissão de culpa no caso investigado pela Lava Jato, mas, mesmo assim, pediu a opinião dos presentes sobre o assunto. O grupo se dividiu.

No Planalto, porém, cresce a pressão para Lula ocupar a Secretaria de Governo, hoje comandada por Ricardo Berzoini, que, nesse caso, seria transferido para outra pasta. O próprio Berzoini é entusiasta da ideia.

“Eu não preciso ser ministro para ajudar o governo”, afirmou Lula ontem, em café da manhã na residência oficial do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). De qualquer forma, para alguns ele prometeu “pensar” no assunto. A Lava Jato avança cada vez mais sobre Lula, o Planalto e o PT.

“Qual time não gostaria de colocar o Pelé em campo?”, perguntou Berzoini, que procura convencer o ex-presidente a voltar atrás e aceitar o convite. “A bola sempre esteve com ele. Depende de ele querer”, afirmou.

Foro. Auxiliares de Dilma e parlamentares do PT e do PMDB estão convencidos de que Lula pode ser preso e, para escapar do que chamam de “caçada” do Ministério Público e do juiz Sérgio Moro, precisa ocupar uma cadeira na Esplanada. No comando de um ministério, o ex-presidente ganharia foro privilegiado e seria julgado pelo Supremo Tribunal Federal, e não por Moro, considerado implacável com investigados da Lava Jato.

Ao comentar ontem sua condução coercitiva para prestar depoimento à Polícia Federal, na sexta-feira, Lula pediu forte reação dos senadores às “arbitrariedades” cometidas pela Lava Jato. “Se eu quisesse, poderia incendiar o País, mas esse não é meu papel. Sou um homem da paz”, afirmou ele, de acordo com relatos de três participantes do café na casa de Renan.

À noite, Lula foi denunciado pelo Ministério Público de São Paulo no caso do tríplex do Guarujá (SP), que ele nega possuir. “Já disse um milhão de vezes que esse apartamento não é meu”, insistiu o petista.

O ex-presidente almoçou ontem com Dilma e com os ministros Berzoini e Jaques Wagner (Casa Civil), no Palácio da Alvorada. Voltou a falar da necessidade de uma guinada na política econômica, mas disse ser difícil fazer isso agora porque o governo está “muito frágil”.

A maior preocupação é com a ameaça de desembarque do PMDB. Após sair do almoço no Alvorada, ontem, Wagner foi conversar com o vice Michel Temer, que disse a ele que não deve haver anúncio de rompimento no sábado. Por enquanto.

 

Comentários