1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Planalto acompanha protestos com preocupação e apreensão

- Atualizado: 12 Março 2016 | 08h 23

Governo articulou com movimentos sociais e PT para que atos fossem desmarcados a fim de evitar a possibilidade de confrontos

BRASÍLIA - O Palácio do Planalto chega com grande preocupação e apreensão à primeira grande manifestação do ano. Nos monitoramentos diários de redes sociais, há a avaliação de que a mobilização está grande e que pode ser catalisadora do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Porém, se os protestos forem fracos, o governo acredita que isso dará fôlego à presidente, que vive há meses em um verdadeiro “inferno astral” e que terminou a semana dando declaração à imprensa avisando que não renuncia ao mandato. O momento é considerado decisivo e delicado para todos e há uma grande preocupação com a possibilidade de confrontos, caso haja enfrentamento de grupos a favor e contra o ex-presidente Lula. A última coisa que o Palácio do Planalto deseja é que ocorram enfrentamentos graves, com violência, e vítimas fatais.

As últimas informações que chegaram ao governo, ainda provenientes do acompanhamento das redes sociais, mostram que a presença nas ruas, no domingo, terá público expressivo, semelhante ao de março do ano passado.

Desde segunda-feira, a presidente Dilma tem comandando reuniões e, também no início da semana, apelou ao seu partido, o PT, e aos movimentos sociais, por meio dos seus ministros, para que cancelem os eventos marcados para o próximo domingo, pelo menos nas cidades onde já existem manifestações agendadas contra o governo – o objetivo é evitar, justamente, violência e graves confrontos.

Ontem, em entrevista à imprensa, Dilma voltou a pedir que não haja excessos por nenhum dos lados e disse que não acredita em enfrentamento. “Faço um grande apelo às pessoas para que sejam capazes de manifestar de forma pacífica. A manifestação é um momento importante no País, de afirmação democrática. Por isso, não deve ser manchada por nenhum ato de violência. Isso é até uma questão que eu peço, como presidenta da República. A gente tem que manter aquelas que são vitórias da democracia brasileira, e sem dúvida, uma das vitórias da democracia brasileira é o direito de livre manifestação. Então, não cabe, de jeito nenhum, a gente perder esse patrimônio”, declarou.

Apesar da preocupação com seus impactos, o governo está tentando encarar os protestos de amanhã com naturalidade. Uma sala de acompanhamento foi montada no Ministério da Justiça, como acontece em todas as situações como esta. A presidente Dilma estará no Palácio da Alvorada, sem agenda oficial. No final do dia, a exemplo do que aconteceu em outras ocasiões semelhantes, a presidente deverá se reunir com os ministros da Casa Civil e da Secretaria de Governo para avaliar o quadro.

O ministro da Defesa, Aldo Arantes, também estará a postos, em Brasília, assim como os comandantes das três Forças. Os militares, no entanto, não estarão de prontidão ou sobreaviso por conta dos protestos.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX