Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Pimentel deve dar estatal a aliado do PMDB

Saída do presidente da Cemig, Mauro Borges, deve ser anunciada nesta quarta-feira, 21; um dos possíveis substitutos é o atual vice, Paulo Roberto Castellari Porchia, cujo padrinho seria o presidente da Assembleia Legislativa mineira

LEONARDO AUGUSTO, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

21 Dezembro 2016 | 05h00

BELO HORIZONTE - À frente de cinco secretarias, a ala do PMDB de Minas ligada ao governador Fernando Pimentel (PT) poderá assumir o comando da estatal de energia Cemig. A saída do presidente da empresa, Mauro Borges, deve ser anunciada nesta quarta-feira, 21. Um dos possíveis substitutos é o atual vice-presidente, Paulo Roberto Castellari Porchia, executivo do setor de mineração, cujo padrinho seria o presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes (PMDB). 

A saída de Borges tem relação com a estratégia de enfrentamento da dívida de R$ 16,3 bilhões da estatal, já que a venda de ativos implementada por ele não estaria agradando Pimentel. Além disso, o presidente do Legislativo é o principal aliado do governador no partido. Assim, essa decisão pode ter relação também com o pedido enviado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) à Assembleia para abertura de ação penal contra o governador por causa da Operação Acrônimo. Adalclever deixou a votação do pedido para o próximo ano. Se aberto o processo, Pimentel pode acabar afastado do cargo. Procurados, nem o deputado nem a Cemig se pronunciaram. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.