1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Picciani já dá sinais de mudança de discurso na defesa do governo

- Atualizado: 30 Março 2016 | 07h 24

A interlocutores, peemedebista passou a dizer que, após o desembarque sacramentado do partido, votará matérias da Casa de acordo com sua 'consciência', com as 'decisões da bancada' e com o que 'for melhor para o País'

Brasília - Após o desembarque oficial do PMDB do governo, o líder do partido na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), disse ontem que, a partir de agora, votará matérias na Casa de acordo com sua “consciência”, com as “decisões da bancada” e com “o que for melhor para o País”. “Vamos defender temas. O que julgarmos importante para o País, defenderemos”, afirmou, num sinal de distanciamento enquanto um dos principais defensores da presidente Dilma Rousseff dentro do PMDB.

Apesar de não ter participado da reunião que aprovou o rompimento, por ser contra o desembarque, o líder assumiu o discurso partidário. Disse que, a partir de agora, “ninguém mais está autorizado” a assumir cargos no governo. “Quem ficar fica por conta própria. A liderança não encaminhará mais pleitos por cargos”, disse.

Leonardo Picciani (PMDB RJ), líder do PMDB na Câmara dos Deputados
Leonardo Picciani (PMDB RJ), líder do PMDB na Câmara dos Deputados

O recuo também foi dado pelo indicado por Picciani para integrar a Secretaria da Aviação Civil (SAC), Mauro Lopes (MG). O deputado mineiro decidiu que entregará o cargo nos próximos dias, após conversar com Dilma, com o vice Michel Temer e com a bancada do PMDB de Minas, que já rompeu com o governo. 

O cargo foi oferecido pelo Planalto a Mauro Lopes como uma das últimas tentativas de manter o PMDB na base aliada. Lopes tomou posse na semana retrasada. Em contrapartida, os ministros Celso Pansera (Ciência e Tecnologia) e Marcelo Castro (Saúde), ambos indicados por Picciani, querem ficar nos cargos.

Com a saída do posto, Lopes evita ser expulso do partido. Peemedebistas já admitem que o processo de expulsão dele por ter assumido a SAC, contrariando moção que proibia membros do PMDB de assumir cargos no governo, não deverá ter seguimento. Atualmente, o processo está sendo analisado pela Comissão de Ética da sigla. 

Lista. Peemedebistas da ala oposicionista e aliados de Picciani avaliam que ele arrefeceu sua postura pois está ciente de que o desembarque do PMDB deve provocar ao aumento de deputados favoráveis ao impeachment. A ala oposicionista já calcula que a bancada poderá chegar a ter até 60 votos favoráveis e apenas oito contrários ao impedimento.

Aliados e opositores de Picciani ressaltam que o parlamentar tem consciência de que, se não seguir a maioria da bancada (hoje pró-impeachment), poderá ser alvo de uma nova lista para destituí-lo da liderança. No fim do ano passado, ele chegou a ser destituído do cargo por lista, mas conseguiu retomá-lo dias depois, também por meio de lista. Aliados apontam ainda que a flexibilização do discurso foi influenciada pela decisão de deixar oficialmente o governo dos diretórios do PMDB do Rio e de Minas, principais apoiadores dele na liderança do partido. 

No caso do Rio, o movimento foi liderado pelo pai do líder, o deputado estadual Jorge Picciani. Picciani diz que não houve mudança de sua postura, embora reconheça que a situação do governo está complicada. / I.G., COLABOROU D.C.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX