1. Usuário
Assine o Estadão
assine

PF vai investigar suposta propina paga à Petrobrás em contrato com holandesa

Andreza Matais - Agência Estado

13 Março 2014 | 09h 54

Após Câmara dos Deputados criar comissão para acompanhar investigações na Holanda, PF abre inquérito sobre suposto pagamento de propina em contrato da Petrobrás com a SBM Offshore

BRASÍLIA - A Polícia Federal abriu na última terça-feira, 11, dois inquéritos para investigar suposto pagamento de propina à Petrobrás e envio irregular de dinheiro ao exterior pela estatal no contrato com a empresa holandesa SBM Offshore e a compra de uma refinaria em Pasadena, no Texas (EUA).

As investigações serão feitas pela Polícia Federal em Brasília em parceira com o procurador do Ministério Público Federal Orlando Espíndola, que já investiga a compra da refinaria.

Embora a denúncia sobre o contrato com a empresa holandesa seja conhecida desde 18 de outubro de 2013, a PF instaurou o inquérito somente nesta semana, após a Câmara dos Deputados decidir criar uma comissão externa para acompanhar as investigações na Holanda. A comissão da Câmara deve ser controlada pelo PMDB, segundo maior partido da base aliada ao governo, que está rebelado por não ter seus interesses atendidos pelo Planalto. Ao entrar no caso, a PF, subordinada ao Ministério da Justiça, também terá acesso aos dados da investigação. A informação sobre a abertura dos inquéritos foi divulgada na edição de hoje do jornal Folha de S.Paulo.

O inquérito sobre Pasadena também só foi aberto pela PF após investigações do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o assunto. O inquérito terá como base documentos do TCU. No caso da empresa holandesa, o inquérito será baseado em informações divulgadas pela imprensa que repercutiram denúncia de um ex-funcionário da SBM, divulgada no site Wikipedia, de que funcionários da Petrobrás receberam dinheiro para fechar negócios com a empresa que aluga navios-plataforma.

A Petrobrás não se manifesta sobre os inquéritos.

Denúncia. Em meados de fevereiro, reportagem do Estado mostrou que uma denúncia de um ex-funcionário da SBM Offshore, empresa holandesa que aluga navios-plataforma (FPSOs) a petroleiras, sugeria que funcionários da Petrobrás recebiam propina para fechar negócios. Segundo o Ministério Público da Holanda, depoimento do ex-funcionário, publicado na internet, faz parte de investigação no país. O relatório acusa a SBM de pagar US$ 250 milhões em propinas a autoridades de governos e de estatais de vários países, incluindo o Brasil. O esquema brasileiro ficaria com a maior parte, envolvendo US$ 139,2 milhões, destinados a funcionários e intermediários.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo