Dilma discursa durante cerimônia de posse nesta quinta-feira
Dilma discursa durante cerimônia de posse nesta quinta-feira

Petrobrás tem capacidade de sair mais forte da crise, afirma Dilma

Em discurso de posse no Congresso, presidente diz que vai defender a estatal de 'predadores internos e de inimigos externos' e ataca servidores que 'não souberam honrá-la'

O Estado de S. Paulo

01 Janeiro 2015 | 17h29

Atualizado às 23h01

BRASÍLIA  - A presidente Dilma Rousseff tomou posse nesta quinta-feira, 1º, em Brasília para seu segundo mandato com um discurso que mesclou promessa de campanha, justificativa sobre o ajuste fiscal que adotará na economia e defesa da Petrobrás e de uma reforma política.

Nos cerca de 40 minutos de discurso no Congresso - a fala simbolicamente mais importante da cerimônia -, ela citou a palavra corrupção dez vezes. Em meio a denúncias de corrupção envolvendo a estatal que envolvem ex-diretores, empreiteiros e políticos, Dilma afirmou que, é preciso proteger a maior empresa do Brasil de “predadores internos e inimigos externos”. 

Durante sua fala, Dilma foi aplaudida por 36 vezes. Miguel Rossetto, chefe da Secretaria-Geral, foi o puxador das palmas. 

"Temos muitos motivos para preservar e defender a Petrobrás de predadores internos e de seus inimigos externos", afirmou. Dilma disse que a empresa é a mais estratégica do País, a que mais investe e mais contrata, e que a companhia é maior do que qualquer crise. "A Petrobrás tem capacidade de sair da crise mais forte", afirmou. A presidente disse que é importante que se saiba apurar com rigor os malfeitos na estatal, sem enfraquecê-la. Ela defendeu também o regime de partilha e a política de conteúdo nacional, mecanismos que, segundo Dilma, "asseguraram ao povo o controle das riquezas políticas" e que não podem ser prejudicados por causa do interesse de "setores contrariados".

Em 2014, a estatal tornou-se um dos principais motivos de ataques adversários ao governo Dilma em razão dos desdobramentos da Operação Lava Jato, deflagrada em março. A investigação da Polícia Federal apura um esquema de desvios e lavagem de dinheiro envolvendo contratos da Petrobrás. Antes disso, suspeitas de superfaturamento na compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, já haviam motivado a criação de uma CPI.

Promessas. Na parte relativa à reafirmação das promessas de campanha, a presidente anunciou um novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 3) e mais 3 milhões de casas para o Minha Casa Minha Vida, além do cumprimento da meta de construir 6 mil creches, anunciada no primeiro mandato, e não cumprida, e 2 milhões de vagas nas escolas técnicas federais. Dilma fez ainda um segundo discurso, desta vez no parlatório do Palácio do Planalto, para o público que compareceu à festa da posse - cerca de 40 mil pessoas, segundo estimativa oficial. Diante do público, Dilma reafirmou a tese de que o governo do PT mudou o Brasil”. 

Slogan. No primeiro mandato, slogan do governo foi “País rico é país sem miséria”. Agora, segundo Dilma, será “Brasil, pátria educadora”. “Ao bradarmos Brasil, pátria educadora, estamos dizendo que a educação será a prioridade das prioridades, mas também que devemos buscar, em todas as ações do governo, um sentido formador, uma prática cidadã, um compromisso de ética e um sentimento republicano”, disse Dilma, que terá no segundo mandato, pela primeira vez na era PT, um não petista à frente da Pasta, o ex-governador do Ceará Cid Gomes (PROS).

Como previsto, Dilma prometeu que fará ajustes na economia sem arrocho. Ela defendeu o tripé econômico, que envolve ajuste fiscal, câmbio flutuante e meta de inflação. “Mais que ninguém sei que o Brasil precisa voltar a crescer. Os primeiros passos desta caminhada passam por um ajuste nas contas públicas, um aumento na poupança interna, a ampliação do investimento e a elevação da produtividade da economia”, disse, lembrando que a inflação nunca ultrapassou o teto da meta, que é de 6,5%. Durante a campanha, Dilma afirmou que se o tucano Aécio Neves vencesse a eleição, ele faria ajustes duros. O ajuste de Dilma prevê cortes em torno de R$ 100 bilhões em gastos públicos. Entre as medidas já anunciadas, está a restrição de acesso a benefícios trabalhistas. 

Para tentar amenizar as críticas que tem recebido do próprio PT, a presidente afirmou que tudo será feito “com o menor sacrifício possível para a população”. Ela também disse que reafirmava o "profundo compromisso com a manutenção de todos os direitos trabalhistas e previdenciários", embora tenha mandado nesta semana medida provisória ao Congresso cortando pensões de viúvos e fazendo maiores exigências burocráticas para o pagamento do seguro-desemprego. 

Diálogo. A presidente aproveitou o discurso para fazer acenos políticos. Elogiou o companheirismo do vice-presidente Michel Temer (que também é presidente do PMDB), elogiou o ex-presidente José Sarney, afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o maior líder popular da História do Brasil e disse que todas as mudanças que pretende fazer terão de passar pelo Congresso. Mas Dilma, que nos discurso da vitória, em 26 de outubro, e no da diplomação, em 18 de dezembro, havia proposto diálogo à oposição, abandonou a postura. Não se referiu aos adversários nem falou em diálogo. /ANA FERNANDES, KARLA SPOTORNO E JOÃO DOMINGOS 

Mais conteúdo sobre:
posse 2015 Dilma Rousseff Petrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.