1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Petista acusa oposição de usar CPMI como 'palanque'

DAIENE CARDOSO E RICARDO BRITO - Agência Estado

28 Maio 2014 | 16h 41

Após acusações da oposição de que a Petrobras é vítima de "saqueamento" e "aparelhamento político", coube à deputada Iriny Lopes (PT-ES), suplente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras, fazer a defesa do governo e acusar os oposicionistas de promover um "palanque eleitoral" na comissão.

"O povo brasileiro tem muita dúvida se esta CPMI é para investigar fatos, pessoas e consequências, ou se ela não passa de um palanque eleitoral. Isso o povo brasileiro não quer. É muito sintomático quando a gente começa uma CPI com um impeachment da presidente", disse a deputada, se referindo ao pedido de impeachment proposto pelo senador Mário Couto (PSDB-PA).

Logo que o escândalo envolvendo a compra da refinaria de Pasadena foi revelado pelo jornal O Estado de S.Paulo, o tucano protocolou na Câmara o pedido de afastamento de Dilma. Ele reclamou que o requerimento não avançou na Casa por "questões políticas" e reapresentou seu pedido na primeira sessão da CPMI. "Ela cometeu crime de improbidade e deve ser punida", afirmou o senador. "Se ela assinou sem saber, cometeu um crime de responsabilidade", reforçou o tucano, se referindo à decisão de comprar a refinaria nos Estados Unidos.

Durante os discursos, os parlamentares de oposição repetiram a tese de que há indícios de corrupção na Petrobras. "Há uma quadrilha, sim, que operou como um polvo (na Petrobras)", afirmou o senador Alvaro Dias (PSDB-PR). O líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA), falou em "saqueamento da Petrobras". O líder do Solidariedade, deputado Fernando Francischini (PR), condenou o "aparelhamento político" da estatal.