Rosinei Coutinho/SCO/STF
Rosinei Coutinho/SCO/STF

Pesquisa indica que 78% dos brasileiros defendem o fim do foro privilegiado

Discussão sobre o tema será retomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira

O Estado de S.Paulo

02 Maio 2018 | 12h22

Uma pesquisa da organização não governamental Avaaz divulgada pelo Ibope nesta quarta-feira, 2, aponta que 78% dos brasileiros são a favor do fim do foro privilegiado. A entidade ouviu mil pessoas de todo o Brasil entre os dias 23 e 25 abril.

Ainda de acordo com a pesquisa, 12% dos entrevistados acreditam que o foro privilegiado deve ser mantido, enquanto 10% não souberam opinar. Além disso, 77% dos consultados acreditam que acabar com o foro ajuda a combater a impunidade no País.

++ 'Estadão Notícias’: Proposta de fim do foro tem grau de ‘experimentalismo’, analisa jurista

Segundo o coordenador da Avaaz, Diego Casaes, o levantamento revela a intolerância da sociedade com a corrupção e os privilégios. "Notamos que a população está cansada de observar esse tipo de proteção sendo oferecida a quem comete crimes. Isso é reflexo das recentes investigações da polícia e dos escândalos políticos que vimos nos últimos anos", opina.

Julgamento. O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) deve retomar na sessão plenária desta quarta-feira o julgamento sobre o foro privilegiado. A tendência é a de que prevaleça o entendimento defendido pelo ministro Luís Roberto Barroso, de que os políticos só terão direito ao foro privilegiado se o crime do qual forem acusados tiver sido cometido no exercício do mandato e for relacionado ao cargo que ocupam.

++STF retoma julgamento com duas teses diferente

Para Diego Casaes, a mudança é um passo importante no combate à corrupção no Brasil. "Ainda temos de analisar como isso será aplicado, assim como não sabemos o alcance das mudanças, caso ocorram. Mas pela pesquisa vemos que a expectativa da população também é de que a Justiça torne-se mais eficiente a partir daí, desafogando o STF."

Mais conteúdo sobre:
foro privilegiado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.