NILTON FUKUDA/ESTADAO
NILTON FUKUDA/ESTADAO

PCdoB pede investigação da PF sobre áudios de voo ofensivos a Lula

PT cobrou da FAB informações sobre tripulação e todos os que acompanharam voo do petista de São Paulo a Curitiba

Daiene Cardoso e Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2018 | 20h43

BRASÍLIA - O PCdoB foi nesta terça-feira, 10, à Polícia Federal pedir a instauração de inquérito sobre os áudios captados durante o vôo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato, de São Paulo para Curitiba no último sábado, 7. A bancada do partido fez o pedido diretamente ao diretor-geral da PF, Rogério Galloro.

+ Advogado de Lula pede que áudios ofensivos de voo sejam investigados

A transmissão do voo que levou o ex-presidente foi interrompida por vozes não identificadas que pediam ao piloto do avião: "leva e não traz nunca mais"; "manda esse lixo janela abaixo". Os comentários que xingavam o petista foram vazados e circularam no domingo, 8, nas redes sociais.

A Força Aérea Brasileira (FAB) confirmou, pelo Twitter, que os áudios eram verdadeiros e foram captados entre a Torre Congonhas, em São Paulo, e a Torre Bacacheri, em Curitiba. No entanto, a instituição informou que as vozes não eram de controladores de voo.

+ Vaza áudio de voo de Lula: 'Manda esse lixo janela abaixo'

Em paralelo à ação do PCdoB, os deputados do PT enviaram à FAB um questionário sobre a tripulação e todos que acompanharam o voo, assim como os nomes dos controladores aéreos em serviço nas duas torres. Os petistas querem saber quais providências serão tomadas para identificar e punir os responsáveis pelas agressões verbais contra Lula.

"As ofensas e ameaças perpetradas representam, para além de práticas criminosas, mais uma demonstração de ódio, de incitamento à discriminação, à hostilidade e à violência destemperada de quem não aprendeu a conviver, em sociedade, com as diferenças inerentes ao pensamento democrático", diz o requerimento de informações do PT. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.