1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Parte da base na Câmara se une à oposição para pedir CPI mista da Petrobrás

Eduardo Bresciani

29 Abril 2014 | 12h 43

Objetivo é evitar que a investigação fique restrita ao Senado; Renan deve anunciar nesta terça se instala ou não a comissão

Brasília - Líderes de partidos da base aliada na Câmara dos Deputados vão se unir aos integrantes da oposição para pressionar o presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL), pela instalação de uma CPI mista da Petrobrás. A intenção é evitar que a investigação fique restrita ao Senado. Na semana passada, a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber determinou a instalação da CPI no Senado e a oposição quer que o mesmo entendimento seja aplicado ao pedido de CPI mista.

"A CPI tem o apoio de 91% da população segundo mostra uma pesquisa hoje. Então é claro que isso não é um assunto só da oposição", disse o líder do PSDB, Antonio Carlos Imbassahy (BA), ao anunciar a adesão de parte da base à iniciativa.

Segundo os oposicionistas, os líderes do PMDB, Eduardo Cunha (RJ), do PSD, Moreira Mendes (RO), do PR, Bernardo Santana de Vasconcellos (MG), e do PTB, Jovair Arantes (GO), participarão da reunião com Renan nesta tarde. "São líderes que assinaram a CPI, então é natural que participem", disse o líder do DEM, Mendonça Filho (PE).

Eduardo Cunha diz que vai consultar ainda os parceiros do "blocão", que reúne PR, PTB, PSC e o oposicionista SDD, mas já sinaliza que participará da pressão. "Nós assinamos a CPI e o Congresso não é unicameral, é bicameral", argumenta.

Renan deve anunciar nesta terça a decisão sobre a instalação da CPI. Integrantes do seu partido o pressionam para que não recorra a fim de tentar reverter a decisão do Supremo de mandar instalar já a investigação parlamentar. Parte da base aliada também já avalia a estratégia de trazer problemas da gestão Fernando Henrique Cardoso para o debate sobre a estatal.