1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para PT, objetivo real era buscar subtração, ocultação de provas

- Atualizado: 08 Março 2016 | 06h 22

Petistas comparam o caso com o do ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto que primeiro foi alvo de uma condução coercitiva

Dirigentes do PT e interlocutores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva avaliam que a ofensiva da Operação Lava Jato contra o petista pode ainda não ter acabado. Desde sexta-feira, quando o ex-presidente foi levado pela Polícia Federal para prestar depoimento, petistas comparam o caso com o do ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto que primeiro foi alvo de uma condução coercitiva, em fevereiro do ano passado, e menos de dois meses depois estava preso.

Pessoas próximas a Lula que acompanharam as ações da PF na Operação Aletheia – 24ª fase da Lava Jato – ficaram com a impressão de que o objetivo real dos investigadores não era encontrar registros de repasses da empreiteiras investigadas, mas procurar indícios de subtração de documentos ou ocultação de provas que pudessem justificar um pedido de prisão de Lula sob alegação de obstrução à Justiça.

Para aliados do ex-presidente, o fato de a Lava Jato ter feito uma busca e apreensão no apartamento da ex-deputada Clara Ant, diretora do Instituto Lula, que não é investigada pela PF, é um forte indício que sustenta a tese.

“Estão tentando construir a ideia de ocultação de provas e obstrução da Justiça. Além de ser desprezível, isso não se sustenta juridicamente”, disse o advogado Marco Aurélio Carvalho, coordenador do setorial jurídico do PT.

Interlocutores de Lula avaliam também que o ímpeto da Lava Jato contra o ex-presidente arrefeceu no final de semana em função da reação desfavorável de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) à ação que teve Lula como alvo. De acordo com fontes do Judiciário, o descontentamento dos integrantes do Supremo com a condução coercitiva de Lula ficou clara durante o jantar de aniversário do ministro Luís Carlos Barroso, no sábado.

Para petistas, a nota emitida pelo juiz Sérgio Moro, também no sábado, foi um sinal de que o responsável pela Lava Jato na primeira instância sentiu a reação. No texto, Moro diz que o pedido para a condução coercitiva partiu do Ministério Público Federal e reafirma que a ação não significa uma “antecipação de culpa” de Lula.

Pessoas com acesso à Lava Jato lembram que o peso político de Lula é infinitamente maior do que ao de Vaccari, o que ensejaria mais cautela por parte de Moro em um possível pedido de prisão do ex-presidente.

O entorno de Lula, no entanto, não descarta novas investidas dos investigadores. Segundo um colaborador, o Instituto Lula continua “no olho do furacão”.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX