1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para Planalto, pedido de preventiva tem argumentos frágeis e caráter político

- Atualizado: 10 Março 2016 | 20h 34

Avaliação é que pedido às vésperas das manifestações contrárias ao governo, marcadas para o próximo domingo, 13, é 'estranho' e 'tem segundas intenções'

BRASÍLIA - O Palácio do Planalto avalia que o pedido de prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinado nesta quinta-feira, 10, por promotores do Ministério Público de São Paulo (MP-SP), assim como a denúncia feita nessa quarta-feira, 9, contra o petista têm caráter político e como "frágeis".

Segundo interlocutores da presidente Dilma Rousseff, o pedido às vésperas das manifestações contrárias ao governo, marcadas para o próximo domingo, 13, é "estranho" e "tem segundas intenções".

A possibilidade de Lula assumir um ministério em Brasília também teria contribuído para a reação "de guerra política" da Justiça de São Paulo. A avaliação agora, segundo fontes que têm insistido para que Lula aceite um cargo no governo, é que a decisão do MP-SP poderia ajudar a acelerar esse processo para evitar uma possível prisão do ex-presidente, já que ele passaria a ter foro privilegiado. Apesar disso, Lula ainda tem mostrado resistência à ideia de voltar a ocupar um lugar no Planalto.

Preventiva. O pedido de prisão do MP-SP já foi distribuído para a juíza Maria Priscilla Ernandes Veiga Oliveira, da 4ª Criminal da Justiça. A juíza não tem prazo para tomar a decisão. A reportagem apurou que o processo é bastante volumoso e que a decisão da juíza deve demorar alguns dias para ser proferida.

Na denúncia, a Promotoria sustenta que o petista cometeu os crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica ao supostamente ocultar a propriedade do imóvel - oficialmente registrado em nome da OAS.

A acusação tem base em longa investigação realizada pelos promotores Cássio Conserino e José Carlos Blat. O promotor afirma ter indícios de que houve tentativa de esconder a identidade do verdadeiro dono do tríplex, o que, segundo ele, caracteriza lavagem de dinheiro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX