Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Para oposição, declaração de Rui Falcão contra Zelotes busca atingir Cardozo

Ao portal do PT na internet, o dirigente petista disse que a investigação da Operação Zelotes 'envolve bilhões de reais e grandes empresas do mercado nacional', mas a Polícia Federal foi atrás 'de um peixinho, sem sequer ter provas contra ele'

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

28 Outubro 2015 | 21h04

São Paulo - Parlamentares de oposição a presidente Dilma Rousseff no Congresso Nacional dizem que a declaração feita nesta quarta-feira, 28, pelo presidente do  PT, Rui Falcão, na qual ele afirma que a operação de busca e apreensão feita pela Polícia Federal esta semana na empresa de Luis Claudio Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi "arbitrária", é uma tentativa de atingir o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT). 

"Jogar tudo nas costas da Polícia Federal é alimentar a briga interna do PT contra o Ministro da Justiça. O alvo dessa declaração é ele. É como se o Cardozo pudesse frustrar uma diligência determinada pela Justiça", diz o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP). A Polícia Federal cumpriu nesta segunda-feira, 26, um mandado de busca e apreensão na empresa LFT Marketing Esportivo, em São Paulo, que pertence a Luis Claudio Lula da Silva. A ação fez parte da Operação Zelotes, que investiga fraudes e tráfico de influência no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). 

Ao portal do PT na internet, o dirigente petista disse que a investigação da Operação Zelotes "envolve bilhões de reais e grandes empresas do mercado nacional", mas a Polícia Federal foi atrás "de um peixinho, sem sequer ter provas contra ele". 

 

Para o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR),  Falcão parte de uma premissa equivocada. "O raciocínio por trás dessa declaração é que o ministro da Justiça poderia controlar a investigação. Isso não é republicano". Secretário-geral do PSDB, o deputado Silvio Torres avalia que o presidente do PT passou um recado em nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Rui é porta-voz do Lula e expressa as ideias dele. Foi ele quem defendeu a saída do (Joaquim) Levy (ministro da Fazenda) e  do Cardozo", pontua. 

O presidente do PPS, Roberto Freire, segue na mesma linha. "O Rui Falcão é governo. Ele que pergunte ao Ministro da Justiça e ao presidente da República se é verdade que existe um monte de tubarão envolvido sendo protegido no governo", rebate. "Em vez da fazer nota de solidariedade eles deviam dar nota de esclarecimento", conclui o dirigente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.