1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Para líder do PT do Senado, Campos 'baixa o nível' do debate

Ricardo Brito - Agência Estado

11 Março 2014 | 16h 18

Humberto Costa (CE) disse que governador de Pernambuco critica Dilma Rousseff 'sem nada a oferecer'

Brasília - O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), rebateu nesta terça-feira, 11, o governador de Pernambuco e pré-candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, que iniciou no fim de semana uma série de ataques diretos à presidente Dilma Rousseff. Para o petista, Campos assumiu a tática do atacar sem propor alternativas e "baixa o nível" do debate.

"É uma fórmula anacrônica, que repete a mania de criticar sem propor, de investir contra um adversário político sem apontar um caminho alternativo e de condenar sem nada oferecer", afirmou, em discurso na tribuna do Senado.

No sábado, em evento no interior do Pernambuco, Eduardo Campos criticou nominalmente a presidente pela primeira vez desde que se colocou como pré-candidato ao Palácio do Planalto. "O Brasil não aguenta mais quatro anos de Dilma", afirmou. Na segunda, em evento em São Paulo, chamou-a de "autoridade" e disse que a presidente "foge do debate" e não promove a faxina ética prometida desde o início da sua gestão.

No pronunciamento, Humberto Costa classificou de "contrassenso" e de "incoerência gritante" as críticas de Eduardo Campos, que ajudou Dilma a se eleger e integrou a base aliada do governo federal até meados do ano passado. "A população não só quer mais quatro anos de Dilma como sabe que só ela é capaz de fazer as mudanças desejadas para o País. Isso está atestado pelas pesquisas de opinião. Quem não sabe de nada, como foi dito, é quem insiste em não ver isso", afirmou.

O líder do PT listou uma série de ações que o governo federal fez em Pernambuco e destacou que o povo no Estado é quem "melhor compreende e garante o patrimônio" deixado pelos três governos presidenciais petistas. Costa defendeu que se faça política "em nível elevado" sem "ataques gratuitos" e com a apresentação de propostas.

Discussão. Em aparte, o líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), ironizou o colega petista ao sugerir que "essa pregação de boas maneiras" também deveria ser endereçada à Dilma. Foi ela, lembrou o tucano, quem chamou a oposição de "cara de pau" e os acusou de pessimistas.

Sem citar nominalmente a ex-ministra e senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), o líder do PSDB disse ainda que ela chamou Campos de "ingrato", como se as realizações do governo federal em Pernambuco decorressem de "favor". "Então, em matéria de modernização e de práticas políticas e de civilidade no contato entre adversários, eu penso que o seu discurso seria melhor dirigido a presidente Dilma Rousseff", afirmou.

Humberto Costa disse que sua manifestação vale para todos os candidatos e que as realizações do governo federal com Estados e municípios ocorreram em parcerias. "Agora, o que não pode é alguém desconhecer que isso aconteceu, é alguém assumir como seu unicamente aquilo que foi feito a partir de uma parceria. É isso que estou questionando, é isso que estamos aqui levantando", disse.