1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para governo, aprovação de CPMF será batalha mais difícil do que barrar impeachment

- Atualizado: 08 Janeiro 2016 | 16h 36

Lideranças na Câmara também não se mostram otimistas com relação à votação do tributo na Casa; previsão é que nova taxa represente arrecadação de R$ 10,3 bi

BRASÍLIA - A recriação da CPMF, matéria que já foi enviada ao Congresso, é mais um grande desafio para o governo este ano. Pela proposta do Executivo, os recursos provenientes do tributo iriam alimentar o caixa da Previdência.

No Planalto, interlocutores da presidente avaliam que o projeto "é mais difícil que o impeachment". No orçamento de 2016, aprovado no fim do ano pelo Legislativo, há a previsão de R$ 10,3 bilhões de arrecadação com o novo tributo.

Em café da manhã com jornalistas nessa quinta, Dilma insistiu na necessidade de aprovar CPMF

Em café da manhã com jornalistas nessa quinta, Dilma insistiu na necessidade de aprovar CPMF

Um dos partidos mais importantes para o governo em meio à dificuldade de aprovar matérias no Congresso, o PMDB ainda não tem posição fechada quanto à votação da CPMF.

Para o líder Eunício Oliveira (CE), a aprovação da matéria é "difícil", pois há um clima antipático ao tema. "É preferível buscar alternativas que não sejam o bolso do contribuinte, embora seja de fácil arrecadação", destacou.

Para o líder do PSD na Câmara, deputado Rogério Rosso (DF), o início de ano conturbado pode atrapalhar o andamento da matéria, que ainda precisa passar por uma comissão antes de ir a plenário. "O andamento deste tema será a partir de março, abril", disse.

Na oposição, o líder do PSDB, senador Cássio Cunha Lima (PB) disse que o partido é radicalmente contra a criação do tributo. "O governo não tem autoridade moral de cobrar um centavo a mais do povo brasileiro enquanto não der o próprio exemplo e reduzir a máquina pública", afirmou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX