Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Para governistas, episódio enfraquece segunda denúncia

Líderes aproveitam prisão de Joesley para desqualificar nova acusação que Janot fará contra Temer

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

11 Setembro 2017 | 03h00

Líderes partidários da Câmara aproveitaram a prisão do empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, para tentar desqualificar a segunda denúncia que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve apresentar nesta semana contra o presidente Michel Temer. Para eles, a prisão melhora o ambiente político para o governo, mas ainda não é possível assegurar que a nova denúncia será rejeitada.

Para o líder do PSD, Marcos Montes (MG), hoje a tendência é de rejeição. Segundo ele, a prisão de Joesley “comprovou a inconsistência” da primeira acusação contra Temer, que teve como base a delação do empresário. “A segunda, se vier nesta linha também, será derrotada, e é o que parece”, afirmou. “Mas é preciso ter cautela, pois todo dia há novidades, o que pode levar a outras avaliações”, ponderou o parlamentar.

“Fica claro que não só a classe política, mas também as instituições e o empresariado estão contaminados”, acrescentou o líder do PSD em seguida. “Minha avaliação é baseada no que disse o ministro Celso de Melo (do Supremo Tribunal Federal) no início desta crise: o Brasil está entre o passado e o futuro. Quem estiver contaminado vai pagar”.

Vice-líder do DEM na Câmara, o deputado Pauderney Avelino (AM) aproveitou o episódio para atacar Janot. “O País inteiro se questionava por que tanto privilégio para criminosos. Agora, o acinte que foi o acordo foi desfeito e eles foram presos. Foi o correto. Mas não alivia para a imagem do Janot, que está ainda mais desgastada”, afirmou Pauderney. Sobre a possibilidade de a prisão colaborar para a rejeição da segunda denúncia, o deputado afirmou: “Não sei. Mas, se (a denúncia) vier, virá de um procurador desgastado”.

Credibilidade. O líder do PR, José Rocha (BA), disse que a prisão do empresário não garante que uma possível segunda acusação da PGR contra o presidente seja barrada na Casa. “Depende de como ela virá”, declarou o parlamentar baiano, ressaltando que a nova denúncia pode ter como base outros fatos. “Mas com certeza a prisão melhora a situação para o governo, porque quebra a credibilidade do denunciante”, afirmou.

O deputado Alexandre Baldy (Podemos-GO) também declarou que a prisão ajuda na defesa jurídica do presidente, no caso de uma eventual segunda denúncia. Mas destacou que ela ainda é desconhecida. “A prisão ajuda na defesa jurídica, mas a segunda denúncia ainda é desconhecida, se tornando um desafio mais político do que jurídico, já que a prisão de Joesley auxilia na tese de desconstruir o ataque jurídico”, afirmou. 

A apuração da primeira denúncia contra Temer, por corrupção passiva, foi barrada pela Câmara após uma articulação que incluiu a distribuição de cargos e outras benesses a aliados. O relatório que recomendava a rejeição da denúncia foi aprovado por 263 votos a 227.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.