1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Para evitar dissidência, Dilma abre as portas do Planalto para aliados

Tânia Monteiro e Ricardo Brito - O Estado de S. Paulo

19 Maio 2014 | 21h 41

Presidente tem série de encontros com os presidentes do PR e PRB; nos próximos dias terá reuniões com líderes do PTB e PP

Brasília - A presidente Dilma Rousseff iniciou nesta segunda-feira, 19, uma reaproximação com partidos da sua base aliada após a queda nas recentes pesquisas de intenção de voto. Dilma conversou com os presidentes do PR, senador Alfredo Nascimento (AM), e do PRB, Marcos Pereira. Nos próximos dias, a presidente terá encontros com integrantes do PTB e do PP.

A ideia é assegurar a presença dos partidos na campanha à reeleição e garantir o tempo de TV das siglas na propaganda eleitoral.

O apoio a Dilma, porém, enfrenta resistências internas nas legendas. Após o encontro no Palácio do Planalto, Nascimento disse que, se "tivesse que tomar a decisão pelo partido", decidiria pelo apoio à reeleição.

"Mas quem decide é a convenção", ressalvou, reconhecendo que existe uma grande divisão interna no PR. "O partido está totalmente indefinido. Tem uma dissidência muito forte. Não posso me antecipar e, assim, não dá para fazer um prognóstico agora."

Apesar de ser da base do governo federal e ocupar o Ministério dos Transportes, com César Borges, uma parte do PR, capitaneada pelo líder do partido na Câmara, Bernardo Vasconcellos (MG), divulgou no fim de abril um manifesto - apoiado por 20 dos 32 deputados federais - defendendo a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Antes do encontro com Dilma, o presidente do PRB, Marcos Pereira, afirmou que o partido deve apoiar formalmente a reeleição, mas também ponderou que a decisão só será tomada na convenção nacional.

O problema, segundo ele, se concentra nas coligações com o PT para cargos proporcionais nos Estados. Conforme Pereira, as pesquisas "não vão influenciar" a decisão da sigla. "É um retrato momentâneo e temporário e ela (Dilma) já estancou a queda", disse.