Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Para Cabral, só Lula pode resolver impasse eleitoral no Rio

Política

Para Cabral, só Lula pode resolver impasse eleitoral no Rio

Contrariados com candidatura de Lindbergh, líderes do PMDB acreditam que 'não vale a pena se estressar com a presidente Dilma'

0

LUCIANA NUNES LEAL,
Agência Estado

22 Janeiro 2014 | 18h01

Rio - Depois da conversa a sós com a presidente Dilma Rousseff, na terça-feira, 21, o governador Sérgio Cabral Filho e o vice, Luiz Fernando Pezão, pré-candidato do PMDB ao governo do Estado do Rio, saíram convencidos de que somente o presidente Luiz Inácio Lula da Silva será capaz de mudar o quadro da disputa fluminense. O PMDB-RJ insiste na desistência da candidatura do senador petista Lindbergh Farias à sucessão de Cabral e ameaça não apoiar a reeleição de Dilma se o quadro continuar como está. A candidatura de Lindbergh foi reafirmada em reunião do diretório regional no último sábado, com aval de Lula e da direção nacional do partido.

Para os peemedebistas, a presidente não vai se envolver nos impasses das disputas estaduais e, no Rio, continuará a fazer o discurso de parceria com Cabral e Pezão e a repetir o bordão "estamos juntos". Mas, na prática, caberá a Lula a palavra final sobre os palanques de Dilma no Estado. Cabral e seus aliados tinham expectativa de que Lula pudesse convencer Lindbergh a desistir, mas por enquanto só ouvem do líder petista pedidos para terem "paciência".

A tese dos líderes do PMDB é que "não vale a pena se estressar com a presidente Dilma". No encontro de Cabral e Pezão com a presidente, do qual também participou o prefeito Eduardo Paes (PMDB), o quadro eleitoral no Rio foi mencionado, os peemedebistas deixaram clara a contrariedade com o PT, mas não fizeram reclamações ou pedidos diretos à presidente.

Em tese, a presidente tem quatro palanques no Rio, se todas as pré-candidaturas forem mantidas: Lindbergh, Pezão, o ex-governador e deputado Anthony Garotinho, do PR, e o ministro da Pesca, Marcelo Crivella, do PRB. Garotinho, que terá a pré-candidatura confirmada no próximo sábado, 25, diz, no entanto, que o apoio a Dilma não está fechado. Em nota distribuída por sua assessoria sobre a convenção estadual do PR, Garotinho declara que "não tem pressa", para fechar sua posição na campanha presidencial.

"Temos até maio para definir essa questão. A presidente Dilma hoje tem mais de um palanque no Rio, mas a configuração política ainda está indefinida. Com Pezão patinando nas pesquisas e Lindbergh sem capilaridade alguma, a presidente tende a precisar de nosso apoio, além do Marcelo Crivella. Mas nada está acertado e precisaremos conversar", disse Garotinho.

Pesquisas qualitativas mostram que Garotinho tem eleitores entre simpatizantes de Dilma e também do tucano Aécio Neves e do socialista Eduardo Campos, o que leva pré-candidato do PR a cogitar abrir o palanque para mais de um candidato a presidente.

Mais conteúdo sobre: