Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Para atacar Gilberto Carvalho, ruralista diz que ele aninha 'negros' no gabinete

Política

Para atacar Gilberto Carvalho, ruralista diz que ele aninha 'negros' no gabinete

Parlamentar que ficou conhecido por atacado gays índios e negros faz novas afirmações polêmicas em vídeo na internet

0

Eduardo Bresciani,
O Estado de S. Paulo

27 Fevereiro 2014 | 19h06

O coordenador da bancada ruralista no Congresso Nacional, Luiz Carlos Heinze (PP-RS), aparece em um vídeo publicado na internet utilizando como argumento de ataque ao ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) ele aninhar "negros" em seu gabinete. Heinze disse ao Estado que se referia ao comando dos movimentos quilombolas e não aos negros em geral. O parlamentar já é alvo de pedido de investigação de quebra de decoro parlamentar por outro vídeo no qual diz que no governo da presidente Dilma Rousseff "estão aninhados quilombolas, índios, gays, lésbicas, tudo o que não presta".

Postado nesta quarta-feira, dia 25 de fevereiro, o vídeo foi feito no Leilão da Resistência, em Campo Grande (MS), no dia 7 de dezembro de 2013. Em discurso de ataque ao governo Dilma, Heinze faz a crítica a Carvalho. "Tem no Palácio do Planalto um ministro da presidenta Dilma, chamado Gilberto Carvalho, que aninha no seu gabinete índios, negros, sem terra, gays, lésbicas. A família não existe no gabinete deste senhor", diz. "Este é o governo da presidente Dilma. Não esperem que essa gente vá resolver o nosso problema", conclui o deputado, no discurso para uma plateia de produtores rurais.

Confira o vídeo:

Heinze afirma que sua manifestação é de crítica ao governo federal pela forma como tem sido conduzida a política de demarcação de terras indígenas e quilombolas. "Não é o negro ou o índio brasileiro. É quem comanda este processo, o comando dos movimentos quilombolas e indígenas", disse. Em relação aos sem terra ele afirmou que não concorda com o financiamento público ao movimento. Afirmou ainda que no caso da citação a gays e lésbicas se "excedeu" em um "momento de discurso".

O vídeo anterior, feito em Vicente Dutra (RS), em novembro, mobilizou a Frente Parlamentar dos Direitos Humanos a apresentar um pedido de investigação contra Heinze na Corregedoria da Câmara e outro na Procuradoria-Geral da República. Naquela ocasião, ele disse ter se "excedido" e que não tinha "nada contra" gays.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.