1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para aliados de Temer, pedido de prisão de Santana pode reacender discussão sobre impeachment

- Atualizado: 22 Fevereiro 2016 | 21h 14

Avaliação é de que episódio deverá ter impactos tanto no Congresso como na opinião pública, já que marqueteiro foi responsável por comandar as campanhas do PT desde 2006, incluindo a da reeleição de Dilma em 2014

BRASÍLIA - Aliados do vice-presidente Michel Temer (PMDB) acreditam que a nova fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta segunda-feira, 22, e que tem como alvo o marqueteiro João Santana, pode ser a fagulha que faltava para reacender a discussão sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O episódio, afirmam, deverá ter impactos tanto no Congresso como na opinião pública, já que Santana foi o responsável por comandar as campanhas do PT desde 2006, incluindo a da reeleição de Dilma em 2014.

Por outro lado, os peemedebistas reconhecem que o pedido de prisão de Santana também é um elemento novo no processo que corre no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e que pede cassação tanto do mandato de Dilma como de Temer.

Esses mesmo aliados argumentam, porém, que ainda é cedo para fazer qualquer avaliação, mas dizem que o pedido de prisão de Santana aproxima Dilma do esquema de corrupção que desviou cifras bilionárias da Petrobrás.

Apesar da opinião de aliados, o vice, por ora, deve se manter afastado da discussão sobre o impeachment. Temer não quer ser novamente acusado de “conspirar” pela saída de Dilma do cargo, como aconteceu no fim do ano passado.

No Palácio do Planalto, o discurso é que o pagamento feito ao marqueteiro na disputa presidencial de 2014 foi legal e que as investigações da PF tem como foco tanto Dilma quanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX