1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para Aécio, queda de arrecadação em 2015 decorre de 'políticas erradas do governo do PT'

- Atualizado: 21 Janeiro 2016 | 18h 22

Dados divulgados hoje pela Receita Federal mostram que, no ano passado, a arrecadação de tributos pelo órgão teve queda real de 5,62% em relação a 2014; o presidente do PSDB defende reformas estruturais

BRASÍLIA - O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), afirmou nesta quinta-feira, 21, que a queda de arrecadação em 2015 vai agravar o problema fiscal e decorre de "políticas erradas do governo do PT". Dados divulgados hoje pela Receita Federal mostram que, no ano passado, a arrecadação de tributos pelo órgão alcançou R$ 1,221 trilhão, uma queda real de 5,62% em relação a 2014. Foi o pior desempenho anual desde 2010, considerando os valores corrigidos pela inflação.

O tucano defendeu a aprovação de reformas estruturais para fazer o País voltar a crescer e o governo conseguir recursos para financiar políticas públicas essenciais. Segundo ele, se não fizer isso, o Brasil terá um "agravamento da crise" neste e nos próximos anos. O presidente do PSDB, contudo, não citou quais seriam as reformas na nota divulgada.

Aécio citou o fato de que o governo aprovou um orçamento de 2016 que estima um crescimento real da arrecadação em 7%, o que corresponde a R$ 80 bilhões de crescimento real da receita. Ele citou o fato de que a queda real da arrecadação no ano passado foi de R$ 76 bilhões.

"Como será possível a arrecadação crescer em termos reais 7% em um ano de recessão? Não será possível e o governo, sem controlar a despesa, virá atrás de socorro no bolso do contribuinte via aumento da carga tributária. A oposição vai se colocar firmemente contra isso", disse o tucano.

Aécio disse que, nos últimos anos, o Executivo aumentou a dívida pública em mais de R$ 500 bilhões, interferiu excessivamente nos marcos regulatórios e no funcionamento das empresas estatais, isolou o Brasil do resto do mundo e gastou o que não podia. "O resultado foi um agravamento da crise fiscal e uma recessão que reduziu a receita do governo federal e dos Estados da federação. O mesmo acontecerá este ano", criticou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX