1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Padilha: 'Não sei o que eles têm contra a divulgação de uma vacina'

Beatriz Bulla - O Estado de S. Paulo

31 Janeiro 2014 | 11h 15

Ministro defende pronunciamento feito por ele um mês antes da campanha de vacinação contra HPV; oposição vê improbidade administrativa

São Paulo - O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, defendeu a necessidade do pronunciamento feito em rede nacional de rádio e TV sobre a campanha de vacinação contra o HPV, que tem sido objeto de ataques da oposição. "Não sei o que eles têm contra a divulgação de uma vacina", rebateu o ministro na manhã desta sexta, ao participar de campanha para combate e conscientização sobre a hepatite, no Sindicato dos Comerciários, em São Paulo.

"Fizemos o pronunciamento porque começaram as aulas este mês", disse o ministro.

Provável candidato pelo PT ao governo de São Paulo, Padilha fez pronunciamento na última quarta-feira, menos de uma semana antes de deixar o cargo para se dedicar exclusivamente à campanha. A vacinação contra o HPV só terá início em março.

Além da campanha, o ministro dedicou boa parte do tempo do programa para comentar o programa Mais Médicos, principal bandeira não só de sua candidatura, mas também a da presidente Dilma Rousseff à reeleição.

O líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio viu promoção pessoal. Ele protocolou na última quinta-feira na Procuradoria Geral de República um pedido para que seja investigada a possibilidade de improbidade administrativa.

A justificativa dos tucanos é de que há "cunho eleitoral" na exposição de Padilha com "promoção pessoal" de autoridade pública.

Nesta sexta, o ministro afirmou que serão os usados "todos os meios possíveis para divulgar uma vacina importante como a de HPV". "As aulas começaram agora, começamos a campanha nas rádios, redes sociais, materiais nas escolas e também tem a importância da divulgação junto à TV", disse Padilha.