Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Organizadores falam em 380 mil em ato pró-governo na Paulista; PM fala em 80 mil

Política

Nilton Fukuda|Estadão

Organizadores falam em 380 mil em ato pró-governo na Paulista; PM fala em 80 mil

O número é superior ao registrado em dezembro do ano passado: 50 mil pessoas, segundo a Secretaria de Segurança Pública paulista; ato contou com a presença do ex-presidente

0

Pedro Venceslau e Valmar Hupsel Filho,
O Estado de S. Paulo

18 Março 2016 | 21h11

São Paulo - A manifestação contra o impeachment da presidente Dilma Rouesseff e em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva realizada nesta sexta-feira, 18, na Avenida Paulista reuniu, segundo a Polícia Militar, 80 mil pessoas no seu ápice, às 18hs45. Segundo os organizadores foram 350 mil.

O número é superior ao registrado em dezembro do ano passado: 50 mil pessoas, segundo a Secretaria de Segurança Pública paulista. A movimentação na Avenida Paulista, que no último domingo foi palco da maior manifestação já registrada em defesa do impedimento de Dilma, começou logo cedo ontem, mais precisamente às 9hs.

Nesse horário a Polícia Militar usou jatos de água e bombas de gás lacrimogêneo para dispersar um pequeno grupo os manifestantes pró - impeachment que estava acampado em frente a sede Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) desde quarta-feira, quando o ex - presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi anunciado como ministro da Casa Civil. Com essa medida, a secretaria de Segurança Pública dissipou o temor de um confronto generalizado e cumpriu o acordo selado com os líderes da Frente Brasil Popular, que reúne entidades como CUT, UNE, CMP e MST e partidos de esquerda.

A Avenida começou a ser ocupada pelos manifestantes por volta das 15hs. A sede da Fiesp, que nos últimos dias se tornou o ponto de encontro dos manifestantes anti - governo, recebeu reforço de segurança da PM, mas mesmo assim foi alvo de hostilidades. A entidade decidiu apagar o painel luminoso como a palavra "impeachment" que estava em funcionamento desde quarta-feira.

Os manifestantes, que ocuparam 11 quarteirões, revezaram palavras de ordem contra com o impeachment com críticas ao juíz Sérgio Moro, que coordena as investigações da Lava Jato em primeira instância. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e os veículos de imprensa, com destaque para a Globo, também foram alvo dos militantes.

A manifestação, que dessa vez foi estática e teve seu epicentro em frente ao Masp, recebeu  líderes partidários, sindicais e políticos como o prefeito Fernando Haddad (PT), Rui Falcão, presidente do PT, o ex-ministro Alexandre Padilha, o ex-senador Eduardo Suplicy e vários parlamentares. Em sua fala, Falcão chamou Lula de "ministro da esperança" e condenou o que chamou de "golpe". Esse aliás, foi o mote central do ato: "não vai ter golpe".

"Não é um ato em defesa de uma pessoa, mas em defesa da democracia do Brasil", discursou o prefeito Fernando Haddad. O presidente da CUT, Vagner Freitas, criticou o juíz Sérgio Moro. "Moro grampeou a presidente, o ex-presidente. Ele grampeou o mundo e deve ser punido por isso". O presidente do PT, Rui Falcão, classificou como "um sucesso" o evento.

 

Comentários