1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Opositores pedem audiência com presidente do STF para cobrar agilidade no impeachment

- Atualizado: 23 Fevereiro 2016 | 13h 39

No início do mês, a Mesa Diretora da Câmara apresentou recursos à Corte que questionam trechos da decisão proferida em dezembro do ano passado sobre o rito do processo de afastamento

BRASÍLIA - Lideranças dos principais partidos de oposição da Câmara decidiram, em reunião realizada nesta terça-feira, 23, pedir uma audiência com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, para cobrar celeridade na análise dos recursos apresentados no processo que trata sobre o rito do impeachment.

“Decidimos fazermos uma visita da oposição ao presidente do Supremo para pedir agilidade na votação dos embargos para que a gente possa voltar a funcionar. Não podemos mais aceitar que o Brasil fique complemente paralisado, a atividade industrial completamente parada, o Congresso e o governo paralisados”, afirmou após o encontro o presidente do Solidariedade, deputado Paulo Ferreira da Silva, o Paulinho da Força. “Estamos decidindo ir ao Supremo Tribunal Federal para que o Supremo delibere sobre os embargos apresentados pela Câmara no sentido de tomar uma posição. Até porque continuamos a dizer que foi uma decisão equivocada do STF”, acrescentou o líder do PPS, Rubens Bueno (PR).

O presidente nacional do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força

O presidente nacional do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força

No início deste mês, a Mesa Diretora da Câmara apresentou recursos ao STF que questionam trechos da decisão da Corte, proferida em dezembro do ano passado, sobre o rito a ser obedecido no processo de impeachment.

Manifestações. No encontro desta terça, que também contou com a participação de lideranças do DEM, PSB, deputados do PMDB e representantes do Movimento Brasil Livre (MBL), ficou decidido ainda que os opositores vão apoiar as manifestações pró-impeachment, previstas para o próximo dia 13 de março.

Lideranças dos partidos de oposição consideram que mobilização do próximo mês ganhará mais força após o pedido de prisão do publicitário João Santana, responsável pelas últimas três campanhas presidenciais do PT, decretado ontem na 23ª fase da Operação Lava Jato. Santana e a mulher, Mônica Moura, que também teve pedido de prisão decretado, desembarcaram na manhã de hoje no Brasil e se entregaram à Polícia Federal.

“Os últimos acontecimentos (prisão de João Santana) geraram novamente uma comoção no País. Até porque o Santana, mais do que um marqueteiro, é o principal conselheiro da presidente Dilma. Ela ouve mais o João Santana do que o próprio ex-presidente Lula. É uma pessoa que frequenta não apenas o Palácio do Planalto, mas a intimidade do Palácio da Alvorada e que tomou conta. Primeiro foi o tesoureiro nacional que foi preso e condenado, agora é o marqueteiro”, ressaltou o líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy.

Na reunião também ficou decidido a criação de um comitê pró-impeachment, ainda sem previsão de iniciar as atividades, mas que deverá atuar na organização de ações em todo o País a favor do afastamento da presidente Dilma. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX