1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Oposição quer que CPI investigue se Graça Foster transferiu bens

Ricardo Brito - O Estado de S. Paulo

20 Agosto 2014 | 17h 33

Reportagem publicada no site de 'O Globo' afirma que, após estourar escândalo sobre compra da refinaria de Pasadena, presidente da Petrobrás teria transferido imóveis seus a parentes

BRASÍLIA - Parlamentares de oposição defenderam na tarde desta quarta-feira, 20, durante audiência da CPI mista da Petrobrás no Congresso, a investigação de supostas operações de transferência de bens da atual presidente da estatal, Maria das Graças Foster, e do ex-diretor da Área Internacional da companhia Néstor Cerveró. Reportagem publicada nesta tarde no site de O Globo afirma que, após estourar o escândalo sobre a compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), eles teriam transferido a parentes imóveis que estavam em seus nomes.

A reportagem, baseada em documentos obtidos em cartórios no Rio de Janeiro, aponta que Graça Foster e Cerveró teriam transferido apartamentos em áreas valorizadas no Estado. As operações teriam ocorrido antes da decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) de bloquear, no dia 23 de julho, os bens de dez gestores da Petrobras para ressarcir os US$ 792 milhões com a compra da refinaria de Pasadena.

Por conta da decisão do TCU, os bens de Cerveró estão bloqueados. O tribunal decidiria nesta quarta-feira sobre o bloqueio dos bens de Graça Foster, mas a sessão foi adiada. 

Gravidade. O líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), foi quem leu a reportagem sobre a transferência de bens dos dois durante o depoimento do gerente jurídico internacional da estatal, Carlos Cesar Borromeu de Andrade. Bueno disse que a questão é "grave" e exigiu uma investigação por parte da CPI mista. A intervenção, entretanto, causou um bate-boca entre ele e a deputada do PT Iriny Lopes (PT).

"Não quero de novo que esta CPI seja palanque eleitoral. Não vamos aceitar palanque eleitoral", afirmou Iriny. "O povo brasileiro é que não aceita roubalheira. Está comprovado nos cartórios do Rio de Janeiro", rebateu Rubens Bueno.

O líder do PPS comparou o fato com a proteção feita por petistas a condenados no processo do mensalão. "O senhor me respeite. O senhor está exagerando nas palavras", afirmou Iriny. "Quem fala o que não sabe ala da própria ignorância", reagiu Bueno. O presidente em exercício da CPI mista, senador Gim Argello (PTB-DF), tentou acalmar os ânimos dos dois parlamentares, tocando a campainha na tentativa de encerrar a discussão entre eles. 

Em seguida, Gim sugeriu a Bueno que fosse apresentado um requerimento para pedir aos cartórios fluminenses os registros de eventuais transferências recentes de patrimônio de Graça e Cerveró. O líder do PPS anunciou que vai apresentar esse pedido, que deve ser votado pela comissão dentro de duas semanas, no período de esforço concentrado de votações do Congresso durante o período eleitoral.