1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Oposição entra com três representações na PGR contra Dilma, Lula, Edinho e Jaques Wagner

- Atualizado: 23 Março 2016 | 13h 30

Líder do PSDB na Câmara alegou que conversas telefônicas interceptadas mostram que Dilma e os ministros usaram seus cargos para defender interesses particulares; 'a Presidência está tentando obstruir a Justiça', disse o deputado Pauderney Avelino (DEM-AM)

Brasília – Líderes de partidos da oposição na Câmara anunciaram nesta quarta-feira, 23, que entraram com três representações na Procuradoria Geral da República (PGR) pedindo que o órgão investigue a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, o ministro Edinho Silva (Comunicação Social) e Jaques Wagner (chefe de gabinete da Presidência), com base nos grampos de conversas telefônicas entre eles divulgados com autorização da Justiça na semana passada.

Uma das representações será mais “ampla” e pede a investigação de Dilma, Lula, Wagner e Edinho por obstrução à Justiça. Nas outras duas, eles acusam separadamente o chefe de gabinete da Presidência e o ministro da Comunicação Social de crime de advocacia administrativa e atos de improbidade administrativa, por terem colocado seus cargos à disposição para que Lula assumisse e movimentado a administração “em favor da defesa dos interesses do ex-presidente”.

O líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy
O líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy

Para o líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy (BA), as conversas telefônicas interceptadas e divulgadas posteriormente mostram que Dilma e os ministros usaram seus cargos para defender interesses particulares. “Isso é muito grave. A Presidência da República está tentando obstruir a Justiça”, afirmou. “O PT e o Palácio do Planalto estão usando a Presidência como se fosse a sede do partido”, criticou o líder do DEM, deputado Pauderney Avelino (AM).

Os líderes da oposição criticaram a decisão do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), de determinar em decisão liminar (provisória) que o juiz federal Sérgio Moro, que conduz as investigações da Operação Lava Jato na primeira instância, envie à Corte os áudios do ex-presidente Lula interceptados. Em sua decisão,Teori fez crítica a divulgação por Moro das conversas telefônicas, a qual chamou de “indevida”.

“O ministro Teori deverá arcar com as consequências da decisão”, rebateu Pauderney Avelino. De acordo com o parlamentar , uma dessas consequências deverá ser a derrubada da decisão do ministro pelo plenário do Supremo. O líder do DEM disse entender que as gravações são “legais”, pois quem estava sendo investigado era o ex-presidente Lula, que não tinha foro privilegiado. “Dilma e ministros foram captados fortuitamente. O alvo era o Lula”, disse.

Mensalão. No rol de representações, o vice-líder da oposição na Câmara, Raul Jungmann (PPS-PE), anunciou que ingressou com representação na PGR pedindo o desarquivamento de inquéritos referentes ao processo do Mensalão do PT. O deputado pede que nova investigação seja aberta contra Lula. A representação tem como base trechos da delação do ex-líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (sem partido-MS), na qual ele diz que o ex-presidente era o autor intelectual do Mensalão.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX