Ronaldo Caiado
Ronaldo Caiado

Oposição diz que governo dá 'calote' em fornecedores

Líderes do DEM e do PSDB afirmam que Lava Jato é 'desculpa' para atrasar faturas

CÉLIA FROUFE E LAÍS ALEGRETTI, O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2015 | 02h01

BRASÍLIA - O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), disse ontem que o governo não tem recursos para pagar suas dívidas ao comentar a reclamação do presidente da Constran, João Santana, que acusou o Executivo de usar a Operação Lava Jato como desculpa para atrasar pagamentos às empreiteiras.

Em entrevista ao Estado, publicada ontem, o empreiteiro acusa o governo de não pagar seus fornecedores.

O Palácio do Planalto informou ontem que não iria se manifestar sobre o assunto.

A Constran pertence à holding UTC, cujo dono, Ricardo Pessoa, está preso em Curitiba, acusado de ser o "coordenador" do clube de companhias envolvidas nas irregularidades apuradas pela Polícia Federal na Petrobrás.

"Foi o desespero que bateu. O governo não tem mais de onde sacar recursos", avaliou Caiado. "É lógico que não há recursos para pagar mesmo. O Tesouro Nacional não tem mais como arcar com as as dívidas. Já queimaram todas as fontes possíveis para o governo, como a Petrobrás, Eletrobrás... agora a Caixa", continuou.

Para o líder, o "calote" do governo nas empreiteiras coincide com atrasos de outros repasses para o próprio governo, como no caso do Pronatec e na área de Saúde. "Lógico que vão ter que responsabilizar a Lava Jato", concluiu.

O deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA), líder da bancada tucana, fez prognóstico parecido. "A economia está quebrada. Dentro desse contexto, a Operação Lava Jato serve também como pretexto para interromper o fluxo de pagamentos, uma coisa que está acontecendo em vários setores."

'Constrangimentos'. Vice-líder do PT na Câmara, o deputado Paulo Teixeira (SP) disse que o governo precisa encontrar uma solução para o pagamento de eventuais dívidas que tem com as empreiteiras. "O fato é que a própria operação levou a constrangimentos. O sistema de Justiça hoje no Brasil tem que saber agir para que, de um lado, a investigação continue e os responsáveis sejam punidos, mas, do outro lado, não atrapalhe a vida das empresas", ponderou ele. "Esse é um problema que o governo está vivendo, que é como pagar essas empresas. É necessário encontrar uma solução para o pagamento de eventuais dívidas."

Já o petista Sibá Machado (AC), líder da bancada na Câmara, classificou de "viagem" a declaração do presidente da Constran. "João Santana viajou. Isso é pura imaginação." Na entrevista, o empreiteiro afirma que "o governo está usando essa coisa de Lava Jato para aproveitar e não pagar ninguém". "O crédito para a Educação não foi pago (Pronatec). Da mesma maneira o governo não vem pagando seus fornecedores. No nosso caso, tem fatura desde outubro que não é paga."

Mais conteúdo sobre:
Operação Lava Jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.