1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Operação Triplo X apura negócios de familiares de Vaccari

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 03h 00

Suspeitas envolvem imóveis adquiridos por mulher e cunhada do ex-tesoureiro do PT em condomínio no litoral paulista; investigação tem como eixo empresa com sede no Panamá

No despacho em que autorizou a Operação Triplo X da Polícia Federal, o juiz Sérgio Moro – que conduz as ações da Lava Jato na 1.ª instância – destacou que, durante a apuração da força-tarefa em Curitiba, surgiu a suspeita de que a empreiteira OAS teria utilizado o condomínio Solaris, no Guarujá, no litoral paulista, para o “repasse disfarçado de propina a agentes envolvidos no esquema criminoso” na Petrobrás. 

O juiz Sérgio Moro destaca na decisão que Giselda Rousie de Lima, mulher do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto – preso preventivamente e já condenado na operação –, declarou à Receita Federal ser proprietária de um apartamento no empreendimento (43-A), mas o Ministério Público Federal identificou que na matrícula do imóvel figura como proprietária Sueli Falsoni Cavalcante, uma funcionária da OAS. 

A primeira suspeita apontada pelos investigadores surgiu com a cunhada de João Vaccari, Marice Correa de Lima, que chegou a adquirir por R$ 200 mil um apartamento (44-A) no condomínio, no fim de 2012. No ano seguinte, ela desistiu do imóvel e recebeu como devolução da OAS Empreendimentos Imobiliários R$ 430 mil. A investigação vê “possível fraude” na negociação porque, em dezembro daquele ano, a empreiteira vendeu o mesmo apartamento por R$ 337 mil.

Offshores. As investigações referentes ao condomínio Solaris têm como eixo principal a empresa Mossack Fonseca & Corporate Services, apontada como uma “grande lavadora” de dinheiro por meio da abertura de offshores. Três investigados ligados à empresa, sediada na cidade do Panamá e com representação na Avenida Paulista, em São Paulo, foram presos temporariamente ontem: Nelci Warken, Ricardo Honório Neto e Renata Pereira Britto.

Entre os apartamentos do condomínio cuja titularidade está sob suspeita, chamou a atenção dos investigadores também o Triplex 163-B, em nome da offshore Murray Holdings, registrada pela Mossack em 2005, em Las Vegas, Estados Unidos. O apartamento que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e familiares tinham a opção de compra é o Tríplex 164-A, na torre vizinha.

A publicitária Nelci Warken, presa temporariamente na operação, é considerada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal uma peça-chave para descoberta dos verdadeiros proprietários de imóveis adquiridos em um suposto esquema de ocultação patrimonial e lavagem do dinheiro desviado da corrupção na Petrobrás.

Nelci é ex-funcionária da área de marketing da Bancoop e dona de uma empresa de panfletagem, a Paulista Plus. Junto com Eliane Pinheiro de Freitas – também ligada a Bancoop e madrinha de uma de suas filhas –, as duas são apontadas pela força-tarefa da Lava Jato como “testas de ferro” no esquema.

Sócios. Para o procurador regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da força-tarefa da Lava Jato, o aprofundamento das investigações sobre a atuação da empresa Mossack Fonseca pode abrir novas frentes de investigação na operação.

Consta como sócio da Mossack Fonseca o nome de Ricardo Honório Neto, mas quem administra a empresa, de acordo com investigações da Polícia Federal, é Maria Mercedes Riano Quijano, conforme se apurou na interceptação telefônica autorizada judicialmente.

A Polícia Federal investiga ainda um advogado panamenho (Edison Ernesto Teano Rivera) e dois venezuelanos (Fernando Hernandez Rivero, que não foi localizado ontem, e Andres Cuesta Hernandez).

Defesas. A advogada Aparecida Célia de Souza, que representa Nelci Warken, afirmou que a defesa da publicitária está coletando documentos sobre o caso. “Ela é totalmente inocente”, afirmou a advogada.

O Estado não conseguiu contato com a representante brasileira da Mossack Fonseca. Procurada, a empreiteira OAS informou que não iria comentar o caso. A reportagem não conseguiu contato com a representante da Murray Holdings nem com as defesas dos outros citados na operação desencadeada nesta quarta-feira. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX