1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Operação da Polícia Federal no Mato Grosso é 'retaliação', avalia Planalto

Tânia Monteiro - O Estado de S.Paulo

21 Maio 2014 | 11h 44

Ação da polícia resultou na prisão do governador do Estado, Silval Barbosa (PMDB)

BRASÍLIA - As ações da Polícia Federal que atingiram nesta terça-feira, 20, o governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), e o deputado estadual José Riva (PSD), foram consideradas pelo Palácio do Planalto uma retaliação da PF ao governo devido a uma disputa de poder entre os policiais e o Ministério da Justiça. A avaliação já existia quando foi desencadeada a Operação Lava a Jato, e o governo entendeu que a insistência em vazar informações especialmente do deputado petista André Vargas e do ex-diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, tinham a ver com esta disputa e que era uma atitude "orquestrada".

A avaliação se repetiu neste caso, uma vez que a operação atingiu em cheio partidos aliados do governo, como o PMDB do vice-presidente Michel Temer, o PSD de Gilberto Kassab e o próprio senador Blairo Maggi (PR-MT), muito próximo de Dilma. O próprio Silval Barbosa esteve anteontem no Planalto e foi cumprimentado por Dilma, na cerimônia de lançamento do Plano Agrícola e Pecuário 2014-2015. A operação tem ainda efeitos diretos sobre a política local, uma vez que Silval tem três pré-candidatos de sua base ao governo do Estado: o vice-governador Chico Daltro (PSD), o ex-juiz federal Julier Sebastião da Silva (PMDB) e o ex-vereador em Cuiabá Lúdio Cabral (PT). O pré-candidato da oposição, Pedro Taques (PDT-MT), também pode ser atingido, pois seu principal financiador de campanha, o empresários Fernando Mendonça, foi alvo de busca e apreensão em sua residência em outra fase da operação.