1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Onde há ilícitos?', questiona Edinho sobre conversas de Wagner com empreiteiro

- Atualizado: 07 Janeiro 2016 | 09h 52

Ministro da Secretaria de Comunicação sai em defesa de chefe da Casa Civil que aparece emnegociação com empreiteiro da OAS por apoio financeiro para candidato do PT à prefeitura de Salvador em 2012

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República Edinho Silva
O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República Edinho Silva

Ribeirão Preto - O ministro da Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República, Edinho Silva, fez nesta quinta-feira, 7 uma defesa enfática do ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, cujos diálogos em mensagens telefônicas de texto com o empreiteiro Léo Pinheiro, da construtora OAS, foram recolhidos pela Operação Lava Jato. Parte das mensagens, divulgada pelo Estado, aponta a negociação entre o então governador da Bahia por apoio financeiro ao candidato à prefeitura de Salvador em 2012, Nelson Pellegrino (PT), bem como pedidos de intermediação de Wagner junto o governo federal a favor de empreiteiros.

"Onde há ilícitos governador debater com empresários? Onde há ilícito em se manter contatos trabalhadores ou lideranças da sociedade?", indagou Edinho, que considerou como "parte da ação política" governadores e prefeitos terem relações com empresários e trabalhares para a liberação de recursos públicos. "Qual ocupante de cargo público, governador ou prefeito, não tem relação empresarial e qual crime existe em governador trabalhar para liberação de verbas?", emendou.

O ministro da Secom considerou que "há uma criminalização da ação política" e que "democracia é enfraquecida" ao se colocar sob suspeita essa "ação legítima" de políticos, como foi o caso do seu colega de ministério, quando governador, em dialogar com empresários. Edinho disse que não falou com Jaques Wagner após a divulgação da reportagem e entende que não "há nada o que defender (sobre a questão), pois não há nada errado".

Edinho criticou ainda vazamentos seletivos de informações, como ocorrem na Operação Lava Jato, e classificou-os como "prejudiciais para investigações" e apenas para fomentar o embate político-partidário.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX