Juca Varella|Estadão
Juca Varella|Estadão

Odebrecht negocia maior acordo de leniência do mundo com EUA, Suíça e Brasil

Empresa é suspeita de pagar propina em uma dezena de países onde a empreiteira tem negócios

Jamill Chade, correspondente, O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2016 | 18h41

GENEBRA - A Odebrecht negocia acordo de leniência com investigadores dos Estados Unidos e Suíça. A investigação inclui suspeitas de pagamentos ilícitos do grupo no Equador, Venezuela, El Salvador e Panamá, além do próprio Brasil. Na Suíça, o crime seria de lavagem de dinheiro por meio de quatro empresas de fachada. O valor da multa pode chegar a R$ 6 bilhões.

A negociação pode resultar no maior acordo de leniência já realizado no mundo. A Siemens chegou a pagar cerca de US$ 1,6 bilhão ao governo americano. Já a francesa Alstom pagou US$ 770 milhões em outro acordo. A holandesa SBM Offshore pagou US$ 340 milhões. Metade do valor arrecadado no acordo de leniência da Odebrecht deve ser direcionado ao Brasil. O restante seria dividido entre os EUA e a Suíça.

Os detalhes de supostas infrações foram debatidos já entre procuradores brasileiros e autoridades suíças, que passaram a cooperar numa nova fase de delações. As revelações apontariam um esquema inclusive com suspeitas de financiamento de campanhas em outros países das Américas Central e do Sul. 

Os suíços já pediram a cooperação do Panamá, Liechtenstein e outras jurisdições diante da descoberta de transações financeiras suspeitas nesses países. Berna suspeita que campanhas políticas na América Central foram financiadas com recursos ilícitos que passaram por contas secretas em Genebra e Zurique. “O mapeamento das atividades da Odebrecht pelo mundo já está praticamente encerrado”, disse um advogado em Genebra próximo ao caso.

Outra dimensão das delações e das contas secretas na Suíça aponta para atividades na África, um território no qual a Odebrecht avançou de forma importante nos últimos 20 anos. Um dos principais centros de atividade seria Angola, com o suposto pagamento de propinas. 

Foco. O acordo estabelecido é de que os suíços não se concentrariam em processos para prender infratores, mas apenas aplicariam penas financeiras aos eventuais envolvidos. Advogados de defesa em Genebra confirmaram ao Estado que muitos dos casos hoje abertos pelos suíços devem ser “arquivados” perante uma multa, uma vez que os dados sejam repassados para o Brasil. O executivo da empresa, Fernando Miggliacio, por exemplo, não foi processado na Suíça, mas extraditado ao Brasil. 

De acordo com a Reuters, o interesse do Departamento de Justiça dos EUA é pelo nome de cidadãos americanos envolvidos no esquema de corrupção. Segundo a agência de notícias, tanto os suíços como americanos abrirão mão de pedidos de prisão de executivos da Odebrecht, deixando isso para a força-tarefa da  Lava Jato. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.