Assine o Estadão
assine

Política

Brasília

Odebrecht fez pagamentos a empresa de enteada de João Santana

Empreiteira contratou Digital Pólis cinco meses após firma ser aberta

0

Andreza Matais e Fábio Fabrini,
O Estado de S. Paulo

02 Março 2016 | 13h05

Brasília - Investigada na Operação Lava Jato por desviar recursos da Petrobrás, a Odebrecht fez pagamentos no Brasil a uma empresa da enteada do publicitário João Santana. Os repasses, feitos entre 2013 e 2014, ano eleitoral, somaram R$ 134.652. A empreiteira contratou a Digital Pólis, de Alice Moura Requião, cinco meses após a abertura da empresa, que atua no concorrido mercado de webdesign, criação de sites, blogs, campanhas publicitárias e gestão de redes sociais.  

A Digital Pólis também prestou serviços em 2014 à campanha de Alexandre Padilha (PT) ao governo de São Paulo. Ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o candidato registrou ter pago R$ 4 milhões pelo serviço de “criação e inclusão de página na internet”. Em nota ao Estado, no entanto, a empresa disse que “a campanha lhe pagou R$ 1,4 milhão”.

Alice Requião é filha de Mônica Moura, investigada juntamente com o marido, João Santana, na Operação Lava Jato por supostos pagamentos ilegais recebidos da Odebrecht. O casal está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Há suspeita de que o dinheiro tenha sido desviado de contratos da empreiteira com a Petrobrás.

Em nota enviada ao Estado no ano passado, João Santana e Mônica disseram que a empresa da enteada não tem relação com a deles e que autorizaram o uso do nome “Pólis” como “ajuda familiar, já que haveria um óbvio aporte de imagem à empresa iniciante”. A assessoria do casal, procurada novamente na semana passada, reiterou as informações. 

Questionada sobre os repasses à Digital Pólis, a Odebrecht informou, no entanto, que firmou “contratos pontuais de publicidade com empresas de João Santana”. O marqueteiro e sua mulher admitiram à Polícia Federal ter recebido recursos de campanha da Odebrecht no exterior. Mas não reconhecerem pagamentos da construtora no Brasil, o que está sendo apurado pela Lava Jato.

Desde sua criação, em julho de 2013, até maio do ano passado a Digital Pólis recebeu R$ 2,3 milhões em pagamentos. A empresa sustenta que, do total, 76% vieram de campanhas e 24% de “clientes privados”, entre eles a Odebrecht. No período, foram três grandes contratantes: a empreiteira, a campanha de Padilha e Pólis Propaganda e Marketing, de Santana e de Mônica, que pagou R$ 401.838 por supostos serviços.

A Digital Pólis recebeu da Odebrecht Realizações Imobiliárias (R$ 35 mil), da Odebrecht Ambiental (R$ 60,8 mil) e da Ótima Concessionária de Mobiliário Urbano, empresa do grupo  da empreiteira (R$ 39 mil). O pagamento no ano eleitoral de 2014 foi para a Odebrecht Ambiental, no valor de R$ 35,8 mil. Em nota enviada ao Estado, empresa justificou que os recursos se referem a serviços de website e apresentações multimídia, efetivamente prestados. O grupo Odebrecht confirma os contratos. 

As empresas de Mônica e Santana dizem atuar apenas para campanhas políticas. Ao contrário da Digital Pólis, que atende empresas privadas e campanhas. Segundo fontes do mercado publicitário, costuma ocorrer de empresas privadas pagarem diretamente às agências por serviços ou prestadores de serviços que deveriam receber das campanhas por meio de simulação de contratos.

A Lava Jato descobriu que Mônica e João, por exemplo, aceitaram receber diretamente da Odebrecht por dívidas de campanha realizadas em Angola, Panamá e Venezuela por meio da offshore Shellbill. Extratos enviados pelos Estados Unidos sobre a conta no Citibank por onde a Shellbill movimentava dinheiro revelaram que outra filha de João Santana, Suria Santana, e seu genro Matthew Pacinelli receberam dinheiro dessa conta.

O nome de Alice aparece em e-mails apreendidos pela Lava Jato. Ela e sua mãe informam o endereço de um apartamento em Nova York ao fazer compras via internet. O imóvel foi comprado por uma offshore que seria do casal.  

Questionada sobre os repasses à Digital Pólis, a Odebrecht informou que empresas de seu grupo “firmaram contratos pontuais de publicidade com empresas de João Santana” e que, “entre os serviços prestados, estão produção e edições de filmes, consultoria, criação visual e produção de apresentação institucional multimídia, gerenciamento de conteúdo digital, entre outros”. A empresa explicou ter feito pagamentos à Digital Pólis até dezembro de 2014. 

A assessoria da Pólis Propaganda e Marketing, empresa de João Santana e Mônica Moura, informou que a empresa “não trabalha – e nunca trabalhou - com empresas privadas” e que “João Santana trabalha "rigorosamente dentro da legalidade.” A empresa reforçou que a Digital Pólis “não pertence a João Santana e Mônica” e que a Pólis “sempre funcionou exclusivamente como contratante da Digital”, sem “nunca receber qualquer repasse da Digital". 

A Digital Pólis informou que nenhum dos serviços prestados “a empresas privadas teve a mínima influência ou participação de João Santana”. Um dos trabalhos, realizados para a Odebrecht Realizações Imobiliárias, teria sido indicação do então diretor de criação da Pólis Propaganda, Marcelo Kértész, irmão de um dirigente da empreiteira. A empresa apresentou notas fiscais de todos os serviços prestados para a empreiteira, que se referem a apresentações multimídia para eventos de fim de ano e produção de website.

Os primeiros questionamentos do Estado à Digital foram em maio do ano passado. Procurada na sexta-feira novamente, a Digital informou que não comentaria mais sobre o assunto. Alexandre Padilha informou que caberia ao PT de São Paulo se manifestar. O partido confirmou ter contratado os serviços da Digital Pólis na campanha de 2014 por R$ 4 milhões, mas que pagou somente R$ 1,4 milhão. A diferença, explicou, ficou inscrita como dívida e está sendo quitada aos poucos, mensalmente.

Comentários