1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Odebrecht atuou em obra de sítio frequentado por Lula em Atibaia

- Atualizado: 25 Fevereiro 2016 | 20h 45

Construtora afirma ter descoberto, após realizar uma apuração interna, que o engenheiro da Odebrecht Frederico Barbosa trabalhou no sítio atendendo a um pedido feito por um superior da empresa

No interior de SP. Sítio sob investigação em Atibaia: comerciantes e prestadores de serviço dizem que reforma no local foi paga por OAS e Odebrecht
No interior de SP. Sítio sob investigação em Atibaia: comerciantes e prestadores de serviço dizem que reforma no local foi paga por OAS e Odebrecht

A empreiteira Odebrecht confirmou nesta quinta-feira por meio de nota que participou das obras do sítio de Atibaia, no interior de São Paulo, frequentado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a família dele. A reforma foi realizada na propriedade no ano de 2010, quando Lula exercia seu segundo mandato na Presidência.

No texto, a construtora afirma ter descoberto, após realizar uma apuração interna, que o engenheiro da Odebrecht Frederico Barbosa trabalhou no sítio atendendo a um pedido feito por um superior da empresa. A empreiteira, no entanto, não revelou o nome de quem teria dado essa ordem a Barbosa. O Estado voltou a questionar a Odebrecht quem era o “superior” citado pela empresa na nota, mas não obteve resposta.

Segundo a Odebrecht, o engenheiro realizou “acompanhamento técnico de obras no sítio” e “apoiou a mobilização de pessoas envolvidas na execução dos serviços, que foram remuneradas pelo responsável pela obra”.

A empresa também não cita no texto o nome do responsável pela reforma na propriedade.

Ainda de acordo com a companhia, Barbosa trabalhou no imóvel por aproximadamente um mês – o texto fala da segunda quinzena de dezembro de 2010 até a meados de janeiro de 2011.

Na nota, a empreiteira afirma também que não recebeu qualquer pagamento pelos serviços prestados no sítio de Atibaia. “A Construtora Norberto Odebrecht não recebeu qualquer pagamento por esses serviços, nem custeou de qualquer modo insumos ou materiais utilizados”, diz o texto da construtora.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX