1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

OCDE diz que sistema político do Brasil foi 'capturado' por financiamento ilegal

- Atualizado: 04 Fevereiro 2016 | 13h 32

Organização lança estudo sobre legislações de financiamento de campanhas eleitorais e pede a regulamentação estreita das práticas e a criação de sanções mais duras; ação da Justiça no Brasil é 'caso edificante'

PARIS - O sistema político do Brasil foi "capturado" por mecanismos de financiamento ilegal ou viciado de campanhas eleitorais por empresas privadas ou lobbies que visam manipular governos em prol de seus interesses. A análise foi feita nesta quinta-feira, 4, pelo secretário-geral da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Angel Gurría. De acordo com a entidade, que lançou relatório internacional advertindo para o risco dos financiamentos ilegais à democracia, a ação da Justiça brasileira é um "caso edificante".

A análise foi feita ao Estado no dia do lançamento do estudo "O financiamento da democracia: financiamento de partidos políticos e o risco de captura da ação política", com a presença de delegados governamentais de dezenas de países. Segundo os técnicos da OCDE, a falta de transparência e de regulação apropriada abriu as portas para que doadores privados não apenas contribuam – muitas vezes contrariando as legislações nacionais –, mas também recorram a falsos empréstimos, a mecanismos de cotizações e uso de "laranjas" para burlar as regras do financiamento de campanhas eleitorais. 

O secretário-geral da OCDE, Angel Gurría
O secretário-geral da OCDE, Angel Gurría

O objetivo, diz a entidade, é gerar dependência e influenciar nas decisões tomadas por partidos e candidatos que uma vez cheguem ao poder. Para Gurría, trata-se do "câncer da democracia". "O dinheiro na política é uma área complexa para reformar, é uma faca de dois gumes. O dinheiro é um componente necessário de qualquer processo democrático, porque permite a expressão política de apoio e a competição nas eleições", ponderou o secretário-geral em seu discurso. "Mas a concentração de recursos econômicos nas mãos de poucas pessoas apresenta uma ameaça significativa aos sistemas políticos."

O chefe da OCDE afirma que a elaboração de políticas não pode ser "vendida a quem oferece mais". "Quando a política é influenciada por doadores afortunados, as regras são burladas em favor de alguns e em detrimento dos interesses da maioria. Defender normas rigorosas para o financiamento da vida política faz parte dos esforços para resolver as desigualdades e restaurar a confiança na democracia", diz Gurría.

De acordo com o estudo, além de fixar regras claras e verificáveis sobre a origem das doações, é essencial regulamentar também a participação de empresas multinacionais e o anonimato das contribuições – hoje, apenas 17 dos 34 países-membros da OCDE proíbem o sigilo. 

Ainda que não seja membro da organização, o Brasil é um dos nove países analisados no relatório. O capítulo brasileiro foi escrito por José Antonio Dias Toffoli, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em sua avaliação, o ministro escreve: "Nosso processo de democratização ainda não está apto a prevenir que o financiamento eleitoral permita ao poder econômico abduzir os direitos civis".

Ao Estado, Gurría afirmou que reformar o sistema é uma missão difícil, mas não apenas no Brasil. "Conheço as circunstâncias particulares do Brasil nesse momento, mas podemos ver a situação como uma oportunidade para a mudança", entende o economista, reconhecendo a dificuldade das reformas. "As partes que se beneficiam do sistema são muito fortes, muito resistentes, têm muita voz."

Para Gurría, definir se haverá financiamento exclusivamente público ou também privado é um imperativo, mas regular a atividade de lobbies e criar mecanismos eficientes de fiscalização e de transparência das finanças de partidos também o são. "Não estamos dizendo que a única ou que a melhor maneira é o financiamento público, mas o controle, a regulação e o financiamento público, associados a campanhas mais curtas, ajudam muito a evitar a captura das políticas públicas."

Ainda para o secretário-geral da OCDE, as investigações da Lava Jato e os processos judiciais contra empreiteiras, lobistas e políticos deixam claro que o Brasil está ciente da captura do Estado pelo poder econômico. "As autoridades e os procuradores concluíram que houve, sim, captura em casos envolvendo construtoras e bancos. É uma captura ilegítima que precisa acabar", advertiu. "O interessante é que o Brasil está fazendo frente à situação e está punindo pessoas, o que é muito edificante."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX