1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Obama falou com Lula sobre caças, diz jornal francês

Andrei Netto, de O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2009 | 20h 07

Durante negociações com a França, americano teria ligado duas vezes para assegurar repasse de tecnologia

Um jornal francês revelou na última segunda-feira, 14, nuances até então desconhecidas da disputa pelo contrato FX-2, que prevê a renovação da esquadrilha da Força Aérea Brasileira (FAB). De acordo com reportagem do Les Echos, de Paris, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, teria telefonado duas vezes ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva para assegurar a transferência da tecnologia e contrabalançar a presença do presidente da França, Nicolas Sarkozy, nas negociações.

 

Veja também:

link'Há opção política pela França', diz Jobim sobre caças

linkJobim nega que Brasil esteja em corrida armamentista

linkBoeing admite transferir só parte da tecnologia

linkNelson Jobim explica no Senado acordo militar com a França

 

Desde a publicação da matéria, o Estado verifica a veracidade das informações com fontes dos governos brasileiro e francês. As respostas são contraditórias. Questionada, uma fonte do governo brasileiro envolvida no encontro entre os presidentes Lula e Sarkozy, em Brasília, respondeu: "Quem escreveu parece ter estado dentro das negociações", sobre o teor da reportagem.

 

No Planalto, a versão é outra: "Não tem nada disso. Acho muito pouco provável, quase impossível que tenha havido um telefonema", afirmou um interlocutor da presidência.

 

De acordo com o jornal, a interferência de Obama na licitação do Ministério da Defesa teria acontecido em razão das chances remotas do F-18, da Boeing, em vencer a concorrência com o Rafale, da Dassault, e com o sueco Gripen NG, da Saab, em razão da falta de compromissos da Boeing em relação à transferência de tecnologia, uma exigência do governo brasileiro. O primeiro telefonema do presidente norte-americano teria acontecido em seu período de férias na ilha de Martha's Vineyard, em Massachusetts, entre 23 e 30 de agosto.

 

Segundo o jornal, Obama telefonou a Lula e se colocou como fiador de que a transferência de tecnologia do F-18 seria aprovada pelo Congresso norte-americano - órgão ao qual cabem decisões estratégicas dessa natureza. O chefe de Estado teria então antecipado que voltaria a ligar, com a confirmação de que a aprovação aconteceria em caso de vitória da Boeing na licitação.

 

Mesmo com a promessa, o jornal sustenta que Lula telefonou a Sarkozy em 31 de agosto, anunciando sua preferência pelo caça francês na concorrência. Cinco dias depois, o brasileiro afirmaria, em entrevista à TV5 Monde, à RFI e ao jornal Le Monde, que a França era a favorita em função de sua disposição de transferir tecnologia. "O Brasil passa por uma fase na qual terá de tomar uma decisão, e todo mundo sabe que uma das exigências que o Brasil faz é de ter acesso à tecnologia", disse o presidente.

 

A partir de então, afirma Les Echos, o lobby norte-americano se intensificou. O jornal diz que uma ofensiva de comunicação teria sido realizada pela Boeing, distribuindo informações negativas sobre seu principal concorrente por diferentes canais, incluindo o meio político e a imprensa brasileira. Entre as "informações" estariam críticas ao Rafale como o custo da hora de voo e supostas exigências da Dassault: o pagamento de 70% do valor do contrato antes da entrega do primeiro caça e a ausência de garantias sobre a exclusividade do Brasil para as exportações do avião na América Latina. As informações são desmentidas pela companhia.

 

Em resposta ao aumento do assédio norte-americano, o governo francês teria acenado com a compra de 10 a 15 aviões de transporte KC390 da Embraer, uma espécie de contrapeso à aproximação entre a Boeing e a companhia brasileira. É nesse momento que, segundo o jornal, acontece o segundo telefonema de Obama, desta vez garantindo que o Congresso aprovaria a transferência de tecnologia.

 

Ao chegar a Brasília, a delegação francesa percebeu o cenário adverso contra os Rafale, sustenta Les Echos. Sarkozy teria então proposto a Lula que as discussões avançassem ao longo da madrugada, o que ocorreu, resultando em uma declaração na qual são asseguradas negociações privilegiadas com a Dassault.