UESLEI MARCELINO/REUTERS
UESLEI MARCELINO/REUTERS

O Poder inviolável

Emílio e Marcelo Odebrecht teriam detalhes picantes sobre o Judiciário

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

19 Abril 2017 | 05h00

Diante do bombardeio desferido pelos delatores da Odebrecht sobre a classe política, resta a pergunta óbvia: e o Judiciário?

A completa ausência de juízes e ministros de tribunais superiores nos relatos dos sócios e executivos da empreiteira não reflete a falta do que contar, mas um entendimento tácito entre colaboradores e a força-tarefa para manter mais ou menos preservado um dos Poderes, para que possa enfrentar sem ter a legitimidade questionada pela sociedade a tarefa de julgar os descalabros revelados.

A coluna ouviu um integrante da força-tarefa, um delator que não pertence à Lava Jato, um advogado que participou das delações e um funcionário da empresa. Todos concordam num ponto: Marcelo e Emílio Odebrecht estavam na gênese e na execução das conversas com Dilma Rousseff para que a nomeação de Marcelo Navarro para o Superior Tribunal de Justiça levasse à concessão de habeas corpus para os diretores da empresa e das demais empreiteiras e ex-diretores explosivos da Petrobrás, como Renato Duque. Vale lembrar que, na época, a orientação da Odebrecht era que ninguém falasse, pois todos sairiam e a operação seria anulada.

Empreiteiros como Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez, também ainda não tinham falado. Foi só depois que a operação habeas corpus para todos – que tinha entendimentos também no STF – fracassou.

Certamente, se fossem questionados, Emílio e Marcelo Odebrecht teriam detalhes igualmente picantes para contar das conversas sobre como influenciar no Judiciário naqueles dias de 2015.

PETROBRÁS

Ex-presidentes são poupados para evitar ações no exterior

Outros imunes ao lodaçal são José Sergio Gabrielli e Graça Foster. Ao se colocar como vítima dos desvios, a Petrobrás busca se blindar de processos bilionários no exterior. A investigação de dois ex-presidentes jogaria esse esforço por terra.

FEIRA LIVRE

Depoimento de Santana complica Palocci e Lula

O primeiro depoimento de João Santana diante de Sérgio Moro depois de homologada a delação do ex-marqueteiro corrobora e agrava tudo o que os Odebrecht disseram sobre o papel de Antonio Palocci na intermediação de recursos da empreiteira para Lula.

CONTENÇÃO

Negociação de ex-ministro leva tensão a QG lulista

Lula anda irritado com o criminalista José Roberto Batochio, um de seus defensores, nos últimos dias. O petista contava com Batochio para ajudar na “contenção” à delação de Palocci. O fato de os dois dividirem o mesmo advogado, apesar de Lula dispor de vasta banca de defensores, sempre foi uma forma de manter o ex-ministro monitorado. Batochio teve de dizer a interlocutores que há um limite até onde ir para dissuadir o cliente de colaborar.

REALITY SHOW?

Doria revive ‘O Aprendiz’ em demissão de secretária

O vídeo em que João Doria Jr. demite Soninha Francine da Secretaria de Assistência Social paulistana pelas redes sociais foi o momento mais constrangedor da gestão do tucano até aqui. Diante de uma ex-auxiliar visivelmente humilhada, o prefeito reviveu seus tempos de apresentador do reality show O Aprendiz para apontar incompetência de Soninha em lidar com a parte “pesada” da gestão e “eliminá-la” da função.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.