1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

O dia em que a PF bateu à minha porta

- Atualizado: 22 Março 2016 | 20h 40

Os policiais se apresentaram e falaram que estavam ali a mando do juiz Sérgio Moro, como parte das investigações da Lava Jato

Atualizado às 20h02 com o nome real da repórter

Policiais federais durante a 26ª fase da Operação Lava Jato
Policiais federais durante a 26ª fase da Operação Lava Jato

Hoje de manhã fui acordada com batidas na porta do meu apartamento e um sonoro: "Polícia Federal, abre a porta". Como jornalista, já cobri várias operações da PF, mas nunca pensei que acabaria incluída em uma delas.

Ainda sonolenta, não sabia bem ao certo que horas eram. Meu cachorro acordou assustado e foi ver quem era. E eu continuava tentando entender o que acontecia. Pensava se não estava sonhando com o noticiário do dia a dia. Só que as batidas continuavam. Assim como o insistente: "PF, abre a porta agora. Temos um mandado de busca e apreensão nesse endereço." Não conseguia acreditar. Logo eu, que, como diz o ditado, nunca matei uma formiga e não gosto de escancarar minhas preferências políticas, apesar de, por ofício, precisar apurar casos de corrupção envolvendo políticos.

Sem saber como agir ou se aquilo era realidade, interfonei para o porteiro. Em resposta, ouvi: "É verdade. É a PF. Você vai ter que abrir." Ok, fazer o quê? Quem não deve, não teme. Abri a porta ainda com a roupa de dormir e lá estavam três agentes da PF, dois do Paraná e um de São Paulo - nenhum japonês -  além de duas pessoas do condomínio, como testemunhas. Os policiais se apresentaram e falaram que estavam ali a mando do juiz Sérgio Moro, como parte das investigações da Lava Jato. Li o mandado. Percebi que estavam atrás, principalmente, de dinheiro vivo.

Eu nem tinha tido tempo de abrir o jornal e saber da nova etapa da operação, nem dos atentados na Bélgica. Eu só conseguia pensar "Logo eu? Logo eu?".

Atendi a porta. "Ok, podem entrar, mas pelo menos me deixem trocar de roupa." Fui para o quarto, me arrumei e fui ver no que a visita ia dar.

Depois de fazerem festinhas com o meu cachorro, começaram o questionário. Agora, com tom de voz mais baixo.

- Há quanto tempo você mora aqui?, perguntaram.

-  Um mês e meio, é alugado, respondi.

- Com o que trabalha?

- Sou jornalista.

- De onde?, quiseram saber.

- Do Estadão.

- Você cobre a Lava Jato?

-  Não estou na editoria de Política agora, mas já cobri operações da PF em Brasília.

- Você é de Brasília? Tem informações privilegiadas da Lava Jato?

- Não.

- Você tem parentes políticos, ministros ou ligados a empreiteiras?

- Não.

- Você tem algum cofre aqui em casa?

Neste momento, apenas ri.

Depois de mais algumas perguntas e respostas, sempre me explicando o passo a passo da ação deles ali, os agentes pediram para abrir os armários do quarto. Deixei. Como não havia nada de excepcional para ver, logo voltamos para a sala. Papelada assinada, notificando que nada constava naquele endereço. Disseram que iriam atrás do antigo locatário: "Esse vai ser investigado." Conversamos ainda um pouco sobre a situação política do País, a vizinhança do prédio e a viagem dos policiais paranaenses até São Paulo. Falaram para eu tirar o cachorrinho da varanda. “Não deixa ele preso lá não, tadinho. Ele deve estar estranhando todo esse povo na casa dele."

Se despediram de mim.

- Gente, vamos embora que ela tem que trabalhar.

Muito bem. Eu tinha mesmo que trabalhar. Desejo que a investigação siga o seu rumo. Mas uma coisa é certa: este dia vai ficar marcado como o dia em que caí na Lava Jato. De paraquedas. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX