Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

'Nunca me ocorreu' assumir a direção do PSDB, diz Alckmin

Governador diz que é preciso aguardar a convenção nacional e afirma que há 'dois ótimos quadros' na disputa, Tasso e Perillo

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

24 Novembro 2017 | 20h37

Às voltas com especulações de que poderia assumir a presidência do PSDB, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, declarou nesta sexta-feira que "nunca ocorreu" a ele assumir a direção do partido e que é preciso aguardar a convenção nacional, marcada para o próximo dia 9.

"Sou a sétima assinatura na fundação do PSDB, fui duas vezes presidente do partido no Estado, mas nunca me ocorreu a hipótese de estar participando da direção nacional. Vamos aguardar, tem uma convenção nacional marcada agora no começo de dezembro", disse Alckmin. "Temos dois ótimos quadros (na disputa), o senador Tasso Jereissati (CE) e o governador Marconi Perillo (GO). Então vamos aguardar as próximas semanas."

+++ 'O PSDB deve ter juízo', diz FHC

As declarações, dadas após um evento no Palácio dos Bandeirantes, acontecem em um momento de forte divisão interna da sigla. Com o racha ameaçando os planos eleitorais da legenda às vésperas de 2018, parte dos tucanos tem argumentado que o governador paulista, o candidato mais provável do partido à Presidência da República neste momento, deveria assumir as rédeas da legenda.

+++ Investidores passam a acreditar em vitória de Alckmin em 2018, aponta pesquisa

Alckmin também comentou as declarações do prefeito João Doria, que admitiu ontem que pode disputar o governo do Estado. "O Doria é um prefeito extremamente capacitado para qualquer cargo. Mas como ele mesmo colocou, isso é para o ano que vem. Mais à frente a gente define essas questões, que são coletivas."

COLUNA DO ESTADÃO: Luciano Huck recebe pesquisas mensais sobre 2018

Doria e Alckmin disputam, junto com o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, a vaga de candidato ao Planalto pelo PSDB. Questionado sobre a pesquisa divulgada hoje pela corretora XP Investimentos junto a investidores institucionais - que mostrou que os entrevistados deixaram de acreditar em uma vitória do prefeito e passaram a apostar no governador -, Alckmin desconversou. "Foi apenas uma fotografia do momento", disse.

+++ Para cientista político, Huck chama a atenção por estar no meio do caminho entre Lula e Bolsonaro

Na pesquisa anterior da XP, de agosto, Doria liderava a preferência dos investidores com 42%, enquanto Alckmin estava em segundo, com 38%. Já em novembro, Alckmin assumiu a liderança com 46% das preferências. Doria, por sua vez, desabou para quinto, com 3%, atrás do apresentador de TV Luciano Huck (19%), do Deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que teve 17% dos votos, e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (8%). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.