Divulgação
Divulgação

Novo ministro da Saúde propõe CPMF cobrada 'no débito e no crédito'

Marcelo Castro defende aplicação da alíquota de 0,20% com 'arrecadação em dobro' e partilha com Estados e municípios

Rachel Gamarski, Bernardo Caram, Valmar Hupsel Filho e Victor Martins, O Estado de S. Paulo

02 Outubro 2015 | 12h33

Atualizado às 13h08

Brasília - Assim que foi anunciado pela presidente Dilma Rousseff como novo ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB-PI), ressaltou as dificuldades enfrentadas pela pasta e propôs à presidente que a CPMF não só seja recriada, como seja permanente e passe a ser cobrada tanto nas operações de crédito quanto de débito, o que dobraria a arrecadação do governo.

"Nossa proposta é continuar com a mesma alíquota de 0,20% e arrecadar o dobro. Vamos cobrar no débito e no crédito", disse o novo ministro. "Se João paga R$ 1 mil a Pedro, saem R$ 1.002,00 da conta de João e entra R$ 998,00 na conta de Pedro."

Do valor arrecadado, Castro defende que 50% seja destinado à União. Este percentual seria dividido entre as áreas de Saúde e Seguridade e os programas sociais. Os outros 50% seriam destinados aos Estados (25%) e os municípios (25%), para aplicarem exclusivamente em Saúde, de acordo com a proposta do ministro. 

Castro disse que já apresentou a proposta para o ministro Ricardo Berzoini (empossado hoje como secretário de Governo), Aloysio Mercadante (ex-chefe da Casa Civil e empossado hoje como ministro da Educação) e à presidente Dilma Rousseff. "Todos gostaram porque não vamos aumentar a alíquota", disse Castro logo após cerimônia em que foi anunciado como novo titular da Saúde. 

Para Castro, que é médico e deputado federal, o Ministério da Saúde tem problemas de financiamento e gestão e é preciso melhorar. O dirigente se mostrou confiante com a aprovação da medida tanto pelo PMDB quanto por outros partidos do governo. "Esperamos que o PMDB e todos os partidos que querem salvar a saúde votem junto", disse.

Mais conteúdo sobre:
Dilma Rousseff Marcelo Castro CPMF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.