Novo ministro da Agricultura não representa o PMDB, diz Henrique Alves

Presidente da Câmara ressalta que Neri Geller, apesar de ser da legenda, não foi indicado pela bancada da Casa, foco da atual crise com governo Dilma

Nivaldo Souza - Agência Estado

18 Março 2014 | 12h37

Brasília - O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), compareceu nesta terça-feira, 18, à cerimônia de transmissão de cargo do novo ministro da Agricultura, Neri Geller (PMDB-MT), mas deixou claro que o comparecimento era em respeito ao ex-ministro Antônio Andrade (PMDB-MG), antecessor de Geller. A troca faz parte da reforma ministerial promovida pela presidente Dilma Rousseff, que procurou amenizar a atual crise com o partido aliado com indicações de nomes ligados ao PMDB.

Alves fez questão de ressaltar que Geller não representa o partido no ministério. "Não é uma indicação da Câmara", afirmou ao Broadcast, indicando que sua presença ocorreu em "apreço ao ministro Toninho (Antônio Andrade), que está saindo".

Alves diz que o novo ministro terá seu apoio mesmo não atendendo à cota ministerial que o PMDB da Câmara teria direito no governo Dilma Rousseff. O partido abriu mão de indicar titulares para Agricultura e Turismo à revelia em razão da recusa de Dilma em aceitar nomes sugeridos pelo líder peemedebista na Casa, o deputado Eduardo Cunha (RJ). "Ele (Geller) é filiado ao PMDB e, pelo grande técnico que é e pelo trabalho que vai fazer, tem todo nosso apoio", disse Alves. "Não posso deixar de reconhecer que foi uma boa escolha (de Dilma), que é um quadro do PMDB e teve apoio de todo o setor", concluiu.

Em seu discurso, Geller fez questão se de referir ao partido como "meu PMDB, o seu PMDB, Henrique Alves". "Temos um compromisso com a nação e vamos caminhar com o Congresso Nacional", emendou. "A nossa atuação vai ser pautada pela lealdade ao meu partido, ao meu Estado e ao meu setor, afirmou. O ministro disse ainda que "as indicações políticas (no ministério) vão permanecer" de acordo com critérios técnicos.

Além de Neri Geller, foram empossados nessa segunda-feira, 17, outros cinco ministros Clélio Campolina Diniz na pasta de Ciência, Tecnologia e Inovação, substituindo Marco Antonio Raupp; Gilberto Occhi na pasta das Cidades, no lugar de Aguinaldo Ribeiro (PP); Eduardo Lopes (PRB) na da Pesca, antes sob comando de Marcelo Crivella (PRB); e Miguel Rossetto (PT) na do Desenvolvimento Agrário, no lugar de Pepe Vargas (PT).

Mais conteúdo sobre:
reforma ministerial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.