Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Noruega apura rede de propinas para Brasil

Política

Agência Petrobrás

Política

Noruega

Noruega apura rede de propinas para Brasil

Autoridades investigam se comissões por negócios alimentaram esquemas ilegais

0

Jamil Chade,
ENVIADO ESPECIAL / OSLO

24 Janeiro 2016 | 23h00

Investigações na Noruega apontam para a suspeita de que cerca de R$ 140 milhões tenham sido pagos em propinas para ex-diretores da Petrobrás, agentes e autoridades no Brasil para permitir que empresas do país escandinavo fechassem acordos com a estatal brasileira. 

O envolvimento de empresas norueguesas na Lava Jato tem abalado a credibilidade do setor privado e da indústria do petróleo, em grande parte responsável pela transformação da Noruega em um dos países mais ricos do mundo.

No centro da investigação está a empresa Sevan Drilling. O Estado teve acesso a trechos confidenciais de uma investigação interna da empresa que aponta que, no total, 300 milhões de coroas norueguesas (R$ 141 milhões) podem ter sido enviadas para contas na Suíça, nas Ilhas Virgens Britânicas, no Panamá e em Mônaco. A suspeita é de que parte importante desse dinheiro tenha sido usada para corromper a antiga direção da Petrobrás. 

Segundo a apuração, a empresa Sevan Drilling teria usado Raul Schmidt Felippe Junior, representante da companhia no Rio de Janeiro, para fazer os pagamentos. 

Uma auditoria conduzida pelo escritório Selmer, em Oslo, concluiu que “é provável que pagamentos ilegais tenham sido feitos para garantir contratos com a Petrobrás”. Eles seriam para a compra de instalações para estocagem e navios, além de material para perfuração das subsidiárias Sevan Driller e Sevan Brasil. “Tais atos podem potencialmente representar um crime financeiro”, indicou a auditoria.

No Brasil, Schmidt é apontado pela investigação da Lava Jato como “parceiro” de Jorge Zelada, ex-diretor da área de Internacional da Petrobrás. Juntos, mantinham a empresa TVP Solar, com sede em Genebra. A suspeita é de que ele teria feito parte de operações para camuflar recursos desviados da estatal. 

Origem. Tudo começou mais de uma década antes da Lava Jato. Em 2001, a Sevan Marine foi criada, com o objetivo de construir plataformas para a exploração de petróleo na costa brasileira. No Brasil, a empresa formaria uma subsidiária com Raul Schmidt e outros dois empresários. 

Em 2005, a Sevan comemorou o seu maior contrato, o que valorizou suas ações na Bolsa de Oslo. Com a Petrobras, construiu a plataforma de Piranema, num acordo de onze anos que valeria à empresa norueguesa US$ 100 mil por dia. Mas parte das comissões, segundo as investigações, teria ido para uma empresa nas Ilhas Virgens Britânicas, a Etesco. 

Em 2007, Schmidt deixou a Sevan e abriu sua própria empresa. Mas, um ano depois, os noruegueses assinaram mais um contrato e colocaram a nova empresa de Schmidt, Global Offshore, como agenciadora para contratos da Petrobrás em águas brasileiras. O valor da comissão seria de 3% de contratos de US$ 975 milhões. A partir de 2010, a Global Offshore Service assumiu os compromissos de comissões também da Etesco. 

Internamente, os primeiros sinais de que a comissão poderia ter outro fim apareceram em 2010. Naquele ano, a Sevan Drilling e a Sevan Marine se separaram. Schmidt, por meio de seus advogados, enviou uma cobrança por “comissões atrasadas”.

Em Oslo, a empresa já contava com um novo comando, da executiva Siri Hatlen. Ao receber a cobrança do operador brasileiro, a nova companhia exigiu que Schmidt preenchesse um questionário para garantir o destino do dinheiro. Mas os advogados do brasileiro se recusavam a preencher o documento e o pagamento das comissões foi interrompido. 

“Nenhum pagamento foi feito pela Sevan Marine dentro do ‘acordo de agente’ depois de 2010”, disse Siri Hatlen, ao receber o Estado em um escritório no centro de Oslo. 

Diante da eclosão do caso no Brasil e a citação do nome da empresa nos documentos da Lava Jato, Hatlen conta que decidiu fazer sua própria apuração, apresentando um comunicado à Bolsa de Valores de Oslo e entregando sua auditoria “para as autoridades norueguesas”.

Mas a Sevan admitiu que, em seu trabalho, não tinha o poder de determinar qual havia sido o destino das comissões depois que foram depositadas nas contas de Schmidt. Essa tarefa, inclusive a de saber se o dinheiro beneficiou partidos e políticos, ficou com a Justiça.

Os dados e o informe chegaram até o gabinete da procuradora anticorrupção da Noruega, Marianne Djupesland, uma celebridade no país por revelar que, na sociedade considerada como uma das mais honestas do mundo, multinacionais estavam dispostas a pagar propinas no exterior para garantir contratos em diversos setores.

Em outubro de 2015, ela e Linn Eckhoff Dolva, agente da polícia, lideraram uma operação de busca e apreensão em três cidades diferentes do país escandinavo, confiscando milhares de páginas de documentos e computadores na sede da Sevan Drilling. Djupesland ainda confirmou que diversos membros da direção da empresa foram interrogados, entre eles Jan-Erik Tveteraas, fundador da companhia e ex-CEO.

Ao receber o Estado, em Oslo, a procuradora confirmou que o caso começa a ser investigado. “Estamos ainda nos estágios iniciais”, disse. “Confiscamos dados em outubro e agora estamos trabalhando com o material”, explicou. Sua estratégia é a de “seguir o dinheiro’ para determinar quem recebeu os recursos nos paraísos fiscais e por qual motivo. Por isso, já iniciou uma colaboração estreita com a força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, e vai enviar cartas solicitando a cooperação de outros países, como a Suíça. 

“Estamos colaborando uma série de países, inclusive o Brasil” disse Marianne. Ela e Linn trabalham com outras sete pessoas dedicadas ao caso da Petrobrás. A suspeita é de que parte do dinheiro teria tido como destino o banco suíço Julius Baer, em nome de Zelada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.