1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Nomes estão predefinidos em São Paulo, Rio e BH

- Atualizado: 27 Março 2016 | 18h 50

Marina Silva contou que dirigentes chegaram a conversar com 29 deputados federais; cinco parlamentares entraram para a legenda “porque se comprometeram com o programa”

A Rede não se preocupa com o número de candidatos, mas com o rigor na seleção desses nomes. É o que afirmou Gabriela Barbosa, coordenadora nacional da sigla. Ela disse que as eleições são consequência “de um debate programático, de um conjunto de valores que a Rede quer para o Brasil”.

Nome de maior peso dentro do partido, Marina Silva contou que dirigentes chegaram a conversar com 29 deputados federais. Desse número, cinco parlamentares entraram para a legenda “porque se comprometeram com o programa”.

Na capital paulista, o vereador Ricardo Young tenta costurar coligação com o PPS e promete construir uma candidatura de oposição à gestão do prefeito Fernando Haddad (PT). O vereador anunciou a adesão ao novo partido em fevereiro – antes, estava no PPS e também havia passado pelo PV em 2010, quando Marina foi candidata ao Planalto pela primeira vez.

O desejo de aliança com a Rede não é unanimidade. “Ele (Ricardo Young) teria de ser mais incisivo, contundente, não ter receio de fazer crítica”, justificou Soninha Francine (PPS). Candidata ao Executivo municipal em 2008 e 2012, Soninha voltará a fazer campanha para se eleger vereadora, cargo que já ocupou entre 2005 e 2008.

Em Belo Horizonte, o partido não pode mais contar com o ambientalista Apolo Heringer Lisboa. Ele não gostou de ter ficado de lado em 2014, quando ensaiava se lançar ao governo de Minas Gerais pelo PSB, que abrigava a ex-senadora na época. “Quero que Marina reconheça o erro em coletiva de imprensa. Não confio mais nela”, disse, sobre o episódio das eleições de 2014. A candidatura na capital ficará para o deputado estadual Paulo Lamac, recém-chegado ao partido.

O líder da Rede na Câmara, deputado federal Alessandro Molon, concorrerá pela segunda vez a prefeito do Rio. Em 2008, então filiado ao PT, ele se desentendeu com a cúpula do PMDB. O conflito rompeu a coligação que o partido desenhava para o pleito e desuniu as lideranças em torno da campanha. Ele terminou em quinto lugar.

Desde o início de março, o deputado tem mais um motivo para disparar contra os anos do PMDB à frente do município e do Estado do Rio. Suas aulas no doutorado em Direito Público não começaram porque a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) entrou em greve.

Alternativas. Enquanto a situação se encaminha em municípios populosos, o amadurecimento de nomes parece estar mais difícil em capitais como Cuiabá (Mato Grosso), onde ao menos oito nomes estão à disposição do partido. Segundo o porta-voz Eron Cabral, ainda é preciso trabalhar para a Rede ser mais bem aceita pela população local.

Já na cidade em que Marina nasceu, Rio Branco (Acre), pode entrar para a disputa o jornalista Toinho Alves, amigo da ex-senadora, ou Júlio Eduardo, conhecido como Doutor Julinho, ex-vereador. “Cada município tem autonomia para se movimentar, fazer diálogo programático, aquilo a que a gente se propõe”, disse Carlos Gomes, dirigente da Rede no Acre.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX