1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Nomeação só pode ser ideia de inimigo

Dora Kramer

A fim de não incorrer em imperdoável grosseria, evitemos qualificar como “de jerico” a ideia de levar a presidente Dilma Rousseff a nomear Luiz Inácio da Silva para um ministério a fim de dar a ele o foro especial de Justiça reservado a autoridades de primeiro escalão dos Poderes Executivos e detentores de mandatos eletivos. Melhor dizer que mais parece ideia de inimigo.

Lula demonstra tirocínio ao resistir à sugestão e a presidente da República demonstraria bom senso ao recusar esse tipo de colaboração. Ruim para os dois em todos os aspectos. Para ele, seria o equivalente a assinar um recibo de culpabilidade e uma confirmação de que tenta mesmo fugir da alçada do juiz Sérgio Moro. Manobra óbvia.

Para ela, a inclusão no governo de um ministro que já chega ao cargo na condição de investigado. Além disso, alguém que a presidente não poderia demitir. Nem falemos em insuficiência de desempenho porque tal critério não faz parte do cardápio do Planalto. Se desse a Lula um cargo a título de proteção, não poderia tirá-lo em caso de condenação ou mesmo na eventualidade de vir a se tornar réu no Supremo Tribunal Federal.

Na concepção do ministro-chefe da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, um entusiasta da nomeação, “qualquer um gostaria de ter um Pelé no time”. Depende. Um jogador machucado renderia mais malefícios que benefícios. E hoje é essa a condição de Lula da Silva: um craque de pé quebrado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX