1. Usuário
Assine o Estadão
assine
1964

No Rio, Dilma se emociona ao lembrar exilados políticos

Ao participar da cerimônia de concessão do Galeão, presidente lembra música do compositor Tom Jobim, que dá nome ao aeroporto, e diz que canção é homenagem a militantes

Rio - A presidente Dilma Rousseff voltou, nesta quarta-feira, 2, a comentar sobre a ditadura militar e se emocionou ao se lembrar dos exilados políticos no período que regressavam ao País pelo aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro."O Rio de Janeiro é a visão mítica do Brasil para os exilados. O exilado não chega ao País, ele pousa", disse a presidente, em referencia à música Samba do Avião, do compositor Tom Jobim, que deu nome ao aeroporto.

Segundo ela, a canção é uma homenagem aos exilados no período da anistia da Ditadura Militar. "Aqui as almas cantam", completou, emocionada.

Militante política durante o regime militar, Dilma chegou a ser presa e torturada nos anos 1970. A presidente tem feito manifestações sobre a ditadura na semana que marca os 50 anos do golpe que depôs o presidente João Goulart.

A presidente participou da assinatura do contrato de concessão do Aeroporto do Galeão, no Rio. O consórcio formado pelas empresas Odrebrecht Transport e Changi Airports venceu o leilão disputado em novembro, com uma oferta de R$ 19 bilhões pelo terminal.

1964