Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

No Rio, contas na Suíça viram assunto de vizinhos de Cunha

'É uma vergonha. Era para ter 200 mil pessoas aqui protestando', disse morador de condomínio vizinho ao do presidente da Câmara

Luciana Nunes Leal, Estadão

18 Outubro 2015 | 17h08

A notícia de que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), tem contas bancárias milionárias na Suíça não declaradas à Receita Federal foi assunto no condomínio onde mora o deputado, na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, e na vizinhança.

Alguns moradores estavam revoltados com o caso. Um carro da Polícia Militar com dois policiais passou o fim de semana na porta do condomínio. Segundo Cunha, isso acontece sempre que ele está no Rio. "É prerrogativa do cargo (de presidente da Câmara) a segurança que colocam à disposição", afirmou.

Morador de um condomínio vizinho, o administrador de empresas Cláudio Aguiar protestou: "E ainda fica um carro da polícia na porta desse sujeito. Na rua a gente não tem segurança. Eu pago meus impostos, não estou em dívida com minhas obrigações. Falar que é evangélico, cristão e fazer o que ele faz? É um absurdo. Ele tem contas na Suíça, passaporte diplomático e diz que não é dele? Então passa o dinheiro para a minha conta e dos brasileiros que não aguentam mais isso. Gastou uma fortuna de cartão de crédito. É uma vergonha. Era para ter 200 mil pessoas aqui protestando", disse.

Por causa da presença da imprensa, muitos moradores da região procuravam saber quem era o "famoso" que vive ali. Uma mulher moradora de um condomínio próximo pediu à reportagem de O Estado que olhasse seu carro enquanto ela ia ao mercado. "Tem tido muito roubo de carro na rua. Aqui tem ladrão dentro e fora dos condomínios", disse a vizinha, sem se identificar. Outra reprovou a presença da reportagem. "Que absurdo ficar vigiando a vida dos outros", reclamou.

Por mensagem, Cunha disse que só se manifestaria em nota oficial ou em entrevista convocada previamente. "Se tiver que falar algo, chamarei em local apropriado e falarei. Mas jamais na porta da minha casa. Isso é constrangedor e absurdo", reclamou o presidente da Câmara. Ele recusou pedido de entrevista feito pela reportagem. Cunha chegou ao Rio na tarde de sexta feira, 16, e disse que volta a Brasília na tarde de segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.