Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política » No ranking dos mais influentes, Sérgio Moro é 13

Política

MARCIO FERNANDES|ESTADAO

No ranking dos mais influentes, Sérgio Moro é 13

Único brasileiro de lista, juiz da Lava Jato é colocado por revista na frente de Bono Vox

0

Altamiro Silva Junior CORRESPONDENTE / NOVA YORK,
O Estado de S.Paulo

25 Março 2016 | 09h54

A revista norte-americana Fortune publicou ontem a lista anual dos 50 líderes mais influentes do mundo e o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, aparece em 13.º lugar. A primeira posição é ocupada pelo presidente da Amazon, Jeff Bezos, seguido pela chanceler alemã, Angela Merkel. O papa Francisco aparece no quarto lugar.

Moro é o único brasileiro da lista e está na frente do cantor Bono Vox, líder do U2, que aparece na 14.ª posição. Da América Latina, outro líder que figura na lista é o presidente da Argentina, Mauricio Macri, em 26.º. “Nos negócios, governos, filantropia e nas artes, em todo o mundo, esses homens e mulheres estão transformando o mundo e inspirando outros a fazerem o mesmo”, destaca a revista na apresentação da lista.

Em um pequeno perfil de Moro apresentado junto com a lista, a Fortune destaca que o juiz federal é o principal protagonista no Brasil da versão para a vida real do filme Os Intocáveis. Estrelado em 1987 por Kevin Costner, o filme mostra os esforços para colocar o chefe da máfia, Al Capone, atrás das grades.

Moro, ressalta a publicação, é o responsável pelas investigações do maior escândalo de corrupção no Brasil já apurado, que envolve a Petrobrás e empreiteiras. O escândalo coloca em risco a reputação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ameaça o mandato de Dilma Rousseff. “A coexistência passiva com a corrupção endêmica na América Latina está se tornando um hábito do passado”, conclui a revista.

O ranking da publicação é lançado no contexto atual em que o juiz federal é tanto alçado a herói de movimentos pró-impeachment como é alvo de críticas de ministros e alguns juristas.

Comentários