ANDRE DUSEK/ESTADAO
ANDRE DUSEK/ESTADAO

'Não tenho, como alguns políticos, obsessão de ser presidente da República', diz Meirelles

Ministro diz ter consciência de que foi tornado um presidenciável, mas que '2018 ficará para 2018'

O Estado de S. Paulo

06 Novembro 2017 | 10h24

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, voltou a afirmar nesta segunda-feira, 6, que tem "consciência" de ser presidenciável. Em entrevista à Rádio Band News, ele disse, no entanto, não ter o "desejo específico" de se tornar presidente da República. Meirelles ressaltou que não tem a atenção desviada para 2018, e sim focada no crescimento e geração de empregos no Brasil. 

+++ Meirelles cancela participação em evento nesta segunda em SP

"Não posso descartar nada, até porque preciso gastar tempo pensando nisso", respondeu ao apresentador Ricardo Boechat. O ministro reafirmou ter "total consciência” de que foi tornado um presidenciável, por ser questionado a todo momento sobre a possibilidade. "Não tenho, como alguns políticos, obsessão de ser presidente da República", ponderou.

+++ Líder do PMDB simpatiza com candidatura de Meirelles ao Planalto

O ministro também declarou que, apesar da redução da taxa de desemprego nos últimos meses, "não é possível o País viver com o número atual de desempregados" - 13 milhões, segundo o levantamento mais recente divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). "Se no próximo ano o País estiver crescendo, terei gratificação de dever cumprido", disse. 

+++ Custo da desoneração da folha foi maior do que o benefício esperado, diz Meirelles

"Não tenho minha atenção desviada para o próximo ano. Se ano que vem a missão já tiver cumprida, a etapa seguinte é pensar nessa oportunidade", afirmou o ministro. Meirelles ainda disse que recebeu manifestação de apoio e engajamento de mais de 40 parlamentares.

Ele ainda voltou a defender a reforma da Previdência durante o governo Temer, ressaltando o risco de o gasto do INSS chegar a 80% do orçamento do País nos próximos anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.