ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO
ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

‘Não era para ajudar petista’, diz presidente do PEN sobre revisão da prisão em 2ª instância

Autor da ação no Supremo, partido não deseja ter sua imagem vinculada à ação que pode livrar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da prisão

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2018 | 05h00

O presidente do PEN/Patriotas, Adilson Barroso, quer retirar a Ação Direta de Constitucionalidade (ADC) 43, que tenta impedir a possibilidade de cumprimento de pena após condenação de segunda instância. O partido, autor da ação, não deseja ter sua imagem vinculada à ação que pode livrar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da prisão. Segundo Barroso, o partido entrou com o questionamento no Supremo Tribunal Federal (STF) há dois anos, antes da condenação de Lula. Confira os principais trechos da entrevista:  

+++PEN tenta retirar liminar que poderá livrar Lula

Por que o PEN questiona a ação neste momento?

A gente fez uma coisa há dois anos para tentar compreender a Constituição e agora as pessoas estão dizendo que estou tentando salvar o Lula. Nunca fui petista e nunca votei no Lula. Pelo contrário. Dois anos atrás, Lula não tinha nem processo. 

E por que então o partido mudou de ideia?

Porque aconteceu isso aí (prisão do Lula) e automaticamente pode favorecer uma pessoa que 70%, 80% da população quer ver presa. Por isso estou fazendo tudo o que a lei permitir para tirar essa cautelar. Fiz para ajudar a população e não para petista. Quando alguém fala que a gente está querendo ajudar petista ou Lula, fico pasmado. Nós pensamos no geral. 

Se o partido está pensando no geral, não é contraditório mudar a atitude por um caso específico?

Pois é. Aí eu estou cometendo, sinceramente, uma pequena injustiça. Se a lei é para todos, então ninguém podia achar ruim se ela está beneficiando Lula entre outras pessoas. Mas, infelizmente, como estão pensando que fiz especificamente para salvar Lula, então desejo que resolva isso depois. Não agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.