Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

'Não conheço Fernando Baiano', disse Renan

Presidente do Senado diz não ter 'consistência'"acusações do lobista de que seria destinatário do pagamento de propinas da Petrobrás 

Ricardo Brito, Agência Estado

20 Outubro 2015 | 13h17

Brasília - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), negou mais uma vez conhecer o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, e afirmou nesta terça-feira, 20, não haver "nenhuma consistência" nas acusações feitas em delação premiada à Procuradoria-Geral da República de que o peemedebista é um dos "destinatários" do suposto esquema de corrupção que se instalou na Petrobras entre 2004 e 2014.

"Sobre isso (delação de Fernando Baiano), eu não conheço, não tem nenhuma consistência. Não há fato, não conheço a pessoa e nunca vi", afirmou Renan, na chegada a seu gabinete.

Segundo Baiano, Renan, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ0, o líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS), e o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) teriam recebido US$ 6 milhões em propinas na contratação do navio sonda Petrobras 10.000, no ano de 2006. Baiano afirmou que, em 2010, em reunião com o deputado Eduardo Cunha, citou os nomes dos três senadores e do ex-ministro de Minas e Energia Silas Rondeau como "destinatários" de valores referentes à contratação da sonda.

"Que, inclusive, fez menção aos nomes dos políticos Renan Calheiros e Jader Barbalho como destinatários de parte dos valores referentes à primeira sonda", registrou a Procuradoria, no depoimento de Baiano em 10 de setembro de 2015. Todos negam as acusações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.